Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Prisão de mulher e filha podem levar Queiroz à delação

Ao longo da Operação Lava Jato, há quase uma dezena de casos de delações negociadas após a detenção de familiares de operadores

Por Thomas Traumann Atualizado em 18 jun 2020, 16h19 - Publicado em 18 jun 2020, 15h03

Junto da prisão de ex-policial militar Fabrício Queiroz, a Justiça do Rio decretou ainda a detenção preventiva da sua mulher, Márcia Oliveira de Aguiar, alegando que soltos eles poderiam atrapalhar as investigações, ameaçar testemunhas e investigados e manipular provas. Márcia foi funcionária fantasma do gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro quando deputado estadual do Rio. Uma filha de Queiroz também era funcionária do gabinete sem aparecer no trabalho. A maior parte do dinheiro que as duas receberam foi depositada na mesma conta corrente na qual ex-policial gerenciava o desvio de salários de outros funcionários do gabinete de Flavio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio conhecido como “esquema da rachadinha”.

A eventual prisão da mulher e o envolvimento das filhas no processo é fundamental para entender os próximos capítulos desta escândalo que pode inviabilizar o governo Bolsonaro. Ao longo da Operação Lava Jato, há quase uma dezena de casos de delações que foram negociadas depois da prisão de familiares de operadores, a começar pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa ainda em 2014.

Fabrício Queiroz compartilhou da intimidade da família Bolsonaro por tanto tempo que seu depoimento tem o peso de arrastar o senador Flávio Bolsonaro e até mesmo o presidente em um pântano similar ao vivido pelo governo Dilma Rousseff a partir da prisão do marqueteiro João Santana, em 2016.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

O esquema da rachadinha era simples. Os funcionários devolviam parte de seus salários para as contas de Queiroz, que por sua vez faria retiradas em dinheiro. De acordo com as investigações, entre 2007 e 2018, o esquema da rachadinha movimentou cerca de R$ 6 milhões dos salários de servidores do gabinete de Flavio Bolsonaro. Há fortes suspeitas que parte desse dinheiro era usada para pagar contas diversas da família Bolsonaro. Um relatório do Coaf revelou que ele transferiu R$ 24 mil para a conta da primeira-dama Michelle Bolsonaro. O presidente alegou que o dinheiro corresponderia ao pagamento de um empréstimo. Nunca apresentou recibo nem declaração à Receita.

No final de maio, ao rebater acusações feitas pelo governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, durante transmissão na internet, Flávio Bolsonaro elogiou Queiroz e o chamou de “cara correto” e “trabalhador”. Hoje, através do seu perfil no Twitter, escreveu “mais uma peça foi movimentada no tabuleiro para atacar Bolsonaro”. O senador tem razão. Só que o próximo lance pode ser de Queiroz.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)