Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Onde Bolsonaro está ganhando votos

Pesquisa PoderData indica que Lula chegou no teto e presidente tem subida gradual

Por Thomas Traumann Atualizado em 4 mar 2022, 09h58 - Publicado em 2 mar 2022, 13h52

Pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira, 2, mostra que a candidatura de Luiz Inácio da Silva alcançou o seu teto na casa dos 40% e que os índices do presidente Jair Bolsonaro estão subindo gradualmente. Num eventual segundo turno, Lula segue ganhando fácil, com 54% das intenções de voto, ante 37% de Bolsonaro. Mas essa vantagem era de 54% a 32% um mês atrás. Ainda é uma goleada, mas a diferença está diminuindo.

Comparando as duas sondagens PoderData, percebe-se que os indicadores de Bolsonaro cresceram entre os mais velhos: entre os eleitores entre 45 e 60 anos, sua intenção de voto subiu de 26% para 31%. Entre os acima de 60 anos, de 30% para 36%. Na região Sudeste, a faixa de eleitores de Bolsonaro subiu de 31% para 35%; no Sul de 27% para 31% e no Centro-Oeste, de 30% para 43%.

O presidente teve uma alta ainda entre os eleitores com ensino fundamental, de 23% para 33%, do que completaram o ensino médio, de 29% para 37%, e com diploma universitário, de 29% para 34%. Entre as mulheres, onde Bolsonaro sempre foi impopular, seu índice saiu de 22% para 28%.

Essas variações em tantos segmentos distintos permitem afirmar que existe uma tendência de alta de Bolsonaro. Os indicadores de Lula no mesmo período variaram dentro da margem, com algumas exceções: ele perdeu votos entre os jovens (era 47%, agora 40%) e entre eleitores com nível superior (de 46% para 34%).

A alta gradual de Bolsonaro não altera o favoritismo de Lula, mas muda o ritmo do jogo. O ganho na pontuação de Bolsonaro é resultado direto do uso da máquina. Desde que o ministro Ciro Nogueira assumiu o comando da liberação de emendas, o dinheiro federal passou a fluir para os municípios e o Auxílio Emergencial começou a ser distribuído.

Sem máquina e sem um partido estruturado com o PT, a direita não-bolsonarista sucumbe. A empresa PoderData incluiu sete nomes alternativos, e todos somados chegam a 21%. Na pesquisa, Ciro Gomes está em terceiro lugar, com 7%. Moro caiu para quarto, com 6%. Eduardo Leite tem 3% e Doria, com 2%, empata com Andrés Janones.

Por fim, a pesquisa obriga os dirigentes do PT a descerem do salto alto. Semanas atrás, o PT debatia se precisava de Geraldo Alckmin como vice para vencer. As pesquisas mostram que o apoio de um conservador como Alckmin é só o início da aliança que Lula terá de construir para enfrentar Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)