Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

‘Toda Luz que Não se Vê’: o que esperar de minissérie sobre II Guerra

Inspirada em livro vencedor do Pulitzer, lançamento da Netflix usa a ficção para rememorar o papel crucial do rádio na resistência francesa ao nazismo

Por Amanda Capuano Atualizado em 4 jun 2024, 10h10 - Publicado em 4 nov 2023, 08h00

Em agosto de 1944, na França ocupada pelos nazistas, a jovem Ma­rie-­Lau­re LeBlanc (Aria Mia Loberti) vive na companhia de um único amigo: o rádio antigo legado a ela pelo tio-­avô. Com o aparelho em mãos, a jovem, que nasceu cega, faz transmissões diárias de textos de Júlio Verne e apelos para que o pai e o tio voltem para casa. Um dos ouvintes, Werner (Louis Hoffman), jovem órfão alemão forçado a lutar na guerra, acompanha o sofrimento da garota — e se nega a denunciá-la às autoridades pela transmissão ilegal. Já disponível na Netflix, a comovente minissérie Toda Luz que Não Podemos Ver leva às telas o livro homônimo do americano Anthony Doerr, que venceu o Pulitzer com uma narrativa de esperança contra o totalitarismo — e que recorda a força do rádio na guerra.

Toda luz que não podemos ver

Adaptada por Shawn Levy (Stranger Things) e Steven Knight (Peaky Blinders), e com nomes de peso no elenco como Hugh Laurie e Mark Ruffalo, a trama é fictícia, mas o contexto histórico em que se desenvolve é bem real: durante os anos da II Guerra, o rádio teve papel primordial para ambos os lados do conflito. Sua importância, inclusive, começa antes dele: em 1933, quando os nazistas chegaram ao poder na Alemanha, o ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, ordenou aos gigantes da tecnologia que lançassem no mercado um transmissor acessível à população. Antes restrito aos mais abastados, o aparelho passou a ser comercializado a preços populares com objetivo maléfico: levar a propaganda nazista ao maior número de alemães possível.

O “BOM SOLDADO” - Werner (Louis Hofmann): conflito ético no lado nazista
O “BOM SOLDADO” - Werner (Louis Hofmann): conflito ético no lado nazista (Katalin Vermes/Netflix)

Veículo potente para a difusão da ideologia mortífera de Hitler e de informações manipuladas sobre a guerra, o rádio também serviu como arma de resistência a ela. Entre 1940 e 1944, os ingleses da BBC abriram as portas para que franceses exilados após a ocupação alemã se comunicassem com os compatriotas que ficaram no país. Batizada de Rádio Londres, a estação se contrapunha à propaganda nazista, e logo foi proibida pelo Führer, que impunha penas pesadas a quem fosse pego ouvindo estações estrangeiras. Lançada na clandestinidade, a emissora incitava a população a resistir aos invasores, e também servia de meio para a troca de informações entre os aliados e a resistência francesa, que se comunicavam através de mensagens codificadas.

Continua após a publicidade

A questão da culpa: A Alemanha e o Nazismo

As correspondências da história real com a série são instrutivas nesse sentido. Em uma cena, Etienne LeBlanc (Hugh Laurie), o tio de Marie, ouve na Rádio Londres a transmissão da primeira estrofe do poema Canção do Outono, de Paul Verlaine, código usado de verdade pelos aliados para informar que a invasão da França ocupada era iminente. Após alguns dias em que o texto foi entoado repetidamente na rádio, as tropas americanas tomaram a Normandia, em 6 de junho de 1944, data que ficou conhecida como Dia D.

INOCÊNCIA ROUBADA - A menina com o pai (Mark Ruffalo): força moral
INOCÊNCIA ROUBADA - A menina com o pai (Mark Ruffalo): força moral (Atsushi Nishijima/Netflix)

Rica historicamente, a trama usa ainda um artifício valioso para expor o contexto violento: mostra o cenário desolador do conflito através dos sentimentos inocentes de Marie — a jovem cega questiona o pai por que os nazistas querem exterminar todos aqueles que, assim como ela, são diferentes. Do outro lado, a série retrata como um garoto prodígio alemão foi transformado em um soldado que, apesar de parecer “bonzinho”, também tem sangue nas mãos.

Continua após a publicidade

O diário de Anne Frank

Como nem tudo é perfeito, a história dá espaço demais a tramas secundárias que acrescentam pouco à narrativa, como a busca de um oficial nazista por uma pedra supostamente amaldiçoada que daria imortalidade a quem a toca. Salvo do museu pelo pai de Marie, o objeto é referência ao esforço dos franceses para tirar obras e relíquias de seus museus antes da invasão nazista, impedindo que Hitler as confiscasse. Graças à determinação heroica de muitos — e à ajuda do rádio —, a esperança venceu a barbárie.

Publicado em VEJA de 3 de novembro de 2023, edição nº 2866

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Toda luz que não podemos ver
Toda luz que não podemos ver
A questão da culpa: A Alemanha e o Nazismo
A questão da culpa: A Alemanha e o Nazismo
O diário de Anne Frank
O diário de Anne Frank

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.