Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Sucesso da Netflix, ‘Heartstopper’ dá a jovens LGBT chance de final feliz

Em novas séries de sucesso, a tragédia carregada cede lugar à leveza dos apaixonados

Por Marcelo Canquerino, Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 29 Maio 2022, 08h00

Acomodados em um sofá aconchegante, mãe e filho discutem qual filme será visto (ou revisto) por eles. Meio acanhado, o menino de 15 anos digita na busca do celular: “filme gay”. O primeiro resultado é Moonlight — Sob a Luz do Luar, drama vencedor do Oscar em 2017 sobre as agruras de um rapaz negro, pobre e homossexual. Alheia às inquietações do filho, a mãe escolhe Piratas do Caribe. O jovem em crise sobre sua orientação sexual é Nick (Kit Connor), um dos protagonistas da série inglesa Heartstopper, mais recente febre da Netflix — já renovada para mais duas temporadas. Bonito, tímido e ótimo jogador de rúgbi, Nick é o garoto dos sonhos de boa parte das meninas de sua faixa etária, mas se torna também a paixão platônica de Charlie (Joe Locke), seu colega de escola e gay assumido. Certo dia, Nick percebe que gosta de Charlie, mas não está tão bem resolvido quanto ele — o que não o impede de, aos poucos, procurar respostas para as borboletas no estômago que surgem quando está perto do amigo. No percurso de oito episódios curtos e calorosos, Charlie e Nick cultivam laços de amizade e confiança que culminam em paixão — e, ainda bem, eles seguem uma trajetória mais afortunada que a do angustiante Moonlight.

Quinze dias

SEM DISFARCES - 'Apresentando, Nate': um menino muito seguro sobre quem é -
SEM DISFARCES - ’Apresentando, Nate’: um menino muito seguro sobre quem é – (Disney+/.)

Amparado por uma simplicidade reconfortante, desde o roteiro sem firulas até a graciosidade de atores estreantes — além de intervenções gráficas nas cenas, como folhas e coraçõezinhos animados, deixando sentimentos pungentes ainda mais explícitos —, Heartstopper marca uma virada curiosa nas produções LGBTQIA+. Além dela, obras como a série Com Amor, Victor, no Star+, e o filme Apresentando, Nate, no Disney+, mostram adolescentes gays em conflitos de identidade e às turras com o velho bullying — mas agora com o respaldo de pais amorosos, professores compreensíveis, amigos fiéis e um crush para chamar de seu.

Um milhão de finais felizes

Continua após a publicidade

É uma virada e tanto. Até aqui, protagonistas homoafetivos pareciam presos a dois caminhos: de um lado, o drama trágico; do outro, a comédia estereotipada. Infâmia (1961), primeiro filme abertamente lésbico de Hollywood, com Audrey Hepburn e Shirley MacLaine, servia como alerta para o sofrimento de quem “opta” pela homossexualidade. Em 1993, Filadélfia abraçou o viés da humanização ao retratar as provações de um homem HIV positivo, interpretado por Tom Hanks. Aepidemia da aids se tornou, então, um substrato onipresente e cansativo (mas necessário) do filão. Até ser substituída por romances trágicos banhados em lágrimas, como O Segredo de Brokeback Mountain (2005). Enquanto isso, comédias purpurinadas à la Priscilla, a Rainha do Deserto (1994) ampliavam o alcance do tema entre o público em geral, mas perpetuavam preconceitos.

EVOLUÇÃO - 'Com Amor, Victor': o amadurecer rumo à saída do armário -
EVOLUÇÃO – ‘Com Amor, Victor’: o amadurecer rumo à saída do armário – (Star+/.)

Dois garotos se beijando

Adolescentes gays em busca de respostas e identificação nem ao menos se encaixavam na classificação indicativa dessas tramas. “Aos 13 anos, o que eu mais queria era um filme gay para ver em família. Agora, fiz um”, já declarou Tim Federle, diretor de Apresentando, Nate. No longa juvenil da Disney, Nate (Rueby Wood) tem 13 anos e sonha em ser astro da Broadway. Na trilha até os palcos, o menino evidencia saber quem é, apesar da tenra idade. “Eu te amo, mas não assim”, diz à amiga que acaba de se declarar, logo após comprar um acessório de arco-­íris para a mochila. Na mesma faixa etária de Heartstopper, a série Com Amor, Victor — derivada do filme Com Amor, Simon — observa o amadurecer de um garoto rumo ao lado de fora do armário. Os dilemas podem se repetir — mas o final feliz agora é um direito amplo e irrestrito.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Quinze dias
Quinze dias
Um milhão de finais felizes
Um milhão de finais felizes
Dois garotos se beijando
Dois garotos se beijando

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.