Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

Série ‘A Queda da Casa de Usher’ traz Edgar Allan Poe para a atualidade

O diretor Mike Flanagan prova que os contos do escritor têm muito a dizer sobre o cinismo na era das redes

Por Thiago Gelli
14 out 2023, 08h00

Filho caçula do magnata Roderick Usher (Bruce Greenwood), o jovem Perry (Sauriyan Sapkota) comporta-se como legítimo herdeiro mimado: enquanto mete os pés pelas mãos nos negócios do clã, o rapaz exprime seu narcisismo em raves movidas a drogas sintéticas e sexo — nas quais seu esporte é demonstrar poder sobre os corpos ao redor. Mas, certa noite, uma loiraça misteriosa usando uma máscara de caveira surge na festa para atiçá-lo — e desafiar seu ego. As consequências macabras do encontro estabelecem uma conexão imediata entre A Queda da Casa de Usher e o universo que a minissérie recém-lançada na Netflix deseja transpor para a realidade atual: a obra do mestre do terror Edgar Allan Poe (1809-1849).

O diretor e roteirista Mike Flanagan vale-se de um artifício engenhoso para esse fim. Sua série dialoga com a trama do conto célebre de Poe que lhe dá título ao narrar a saga da família Usher — que enriqueceu nos Estados Unidos de hoje explorando sem escrúpulos o mercado de drogas opioides, mas carrega uma maldição. A cada episódio, Flanagan usa um conto do escritor americano para expor as desventuras dos filhos do patriarca. A história da loiraça que se revela fatal refere-se ao clássico A Máscara da Morte Vermelha. De Os Assassinatos da Rua Morgue a O Gato Preto, a série segue promovendo um cruzamento das histórias saídas da mente perversa de Poe com uma trama sobre ricaços podres à la Succession.

A premissa é original, mas Flanagan — um dos grandes expoentes do novo terror — perde-se muitas vezes em meio à verborragia e ao sentimentalismo. É como se certo humanismo que ele injetou no gênero em produções como Missa da Meia-Noite se mostrasse aqui uma ingenuidade diversionista capaz de nublar a crueldade tão acachapante na obra de Poe.

De qualquer forma, a série cumpre sua missão principal: mostrar que os contos e poemas do autor não só continuam potentes, como têm algo a dizer sobre os medos contemporâneos. Poe morreu em Baltimore há mais de 150 anos, enterrado sem lápide nem cerimônia, mas ainda faz a cabeça dos leitores — e seu legado nutre o cinema e a ficção até hoje. Agora, Flanagan aplica os componentes que insuflam o pavor no mundo de Poe — a consciência pesada, as falhas de caráter e a dubiedade moral — à nossa era de exibicionismo vazio e cinismo exacerbado nas redes sociais. Não à toa, há personagens que remetem a Elon Musk e à guru do bem-estar Gwyneth Paltrow, entre outras figuras duvidosas. O resultado fica aquém de Poe, mas prova que seus pesadelos clássicos estão por aí, vivíssimos e assustadores.

Publicado em VEJA de 13 de outubro de 2023, edição nº 2863

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.