Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

‘Sentença’ faz retrato visceral do sistema judicial e prisional do Brasil

Em nova série do Prime Video, Camila Morgado interpreta uma advogada dividida entre o senso de justiça e os fantasmas do passado

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 18 abr 2022, 15h31 - Publicado em 15 abr 2022, 16h10

Em um dia qualquer na cidade de São Paulo, carros e mais carros se amontoam no trânsito congestionado. Apesar de estar atrasada para o trabalho, Heloísa não foge à briga quando seu filho é chamado de macaco por um motorista. Ela desce do veículo, enfrenta o homem — que ameaça passar com o carro por cima dela — e brada: “Vou te processar por injúria racial. Te vejo no tribunal”. Conhecida no meio criminal por lutar contra a injustiça e por acreditar piamente que todos possuem direito a defesa, a advogada trabalha ajudando aqueles relegados pela sociedade em Sentença, nova série da Amazon Prime que chega ao streaming nesta sexta-feira, 15. 

Vivida com maestria por Camila Morgado, Heloísa entende como ninguém a precariedade do sistema judiciário e prisional do Brasil. Os problemas da advogada começam quando ela pega o caso de uma mulher acusada de matar e atear fogo ao corpo de um policial, para se defender. Enquanto desvenda o que aconteceu, Heloísa é assombrada por fantasmas do passado e sua vida pessoal se mescla com o caso quando ela se vê em um beco sem saída e precisa pedir ajuda a uma facção criminosa envolvida na morte do policial para salvar a vida da mãe.

Dividida em seis episódios, o maior trunfo da produção, criada por Paula Knudsen, é colocar a protagonista em um papel de dilemas compreensíveis. Apesar de parecer incorruptível, a advogada acaba cedendo e ajudando o líder da facção, vivido por Rui Ricardo Diaz, quando o assunto é o risco de sua família. A mãe de Heloísa, presa por matar o marido, sofre um acidente e precisa de uma cirurgia de emergência no cérebro. Passar um “salve” na televisão em nome dos criminosos só se torna uma opção para a advogada quando ela esgota, exaustivamente, todas as tentativas legais de ajudar a mãe — e descobre que existem membros da facção dentro do sistema judiciário. 

Outro retrato importante feito pela série é o da situação de Dinorah (Lena Roque), a mulher acusada de matar o policial. Desde o instante em que ela vai para uma penitenciária feminina aguardar julgamento, passa a sofrer diversos tipos de violência, que vão desde rasparem seu cabelo, até agressões físicas e abuso de poder por parte de policiais. Por meio de arquétipos, a produção faz um triste retrato não só do meio judiciário brasileiro, mas também das falhas grotescas do sistema penitenciário — que hoje, no Brasil, tem o papel oposto ao de reinserção dos presos na sociedade.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)