Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Os bastidores de ‘Sweet Tooth’, do visual das crianças híbridas à pandemia

Série da Netflix imaginou um mundo transformado por um vírus – antes mesmo de o mundo real ser afetado por outro

Por Raquel Carneiro 15 jun 2021, 11h12

Quando os criadores da série Sweet Tooth, Beth Schwartz e Jim Mickle, começaram a imaginar como adaptar a sombria história em quadrinho de mesmo nome em uma trama para toda a família, um dos primeiros desafios foi pensar em como seria viver em uma pandemia. Qual o tipo de vírus? Quais os sintomas? Como ele seria transmitido? E assim por diante. Mickle então cravou: “é um vírus de gripe, algo como uma gripe muito, muito forte”. Assim foi decidido que parte da humanidade seria dizimada pelo H5G9, um vírus que causaria tosse, febre, cansaço até culminar em tremores nos dedos das mãos – último estágio antes da morte. Isso tudo foi pensado bem antes de o mundo real ser tomado pelo novo coronavírus.

O primeiro episódio da série foi gravado em 2019, na Nova Zelândia. Quando o projeto foi retomado, no ano seguinte, já em plena pandemia, a equipe decidiu continuar por lá, valendo-se do bom controle feito pelo governo neozelandês no combate à Covid-19. As belas planícies, cenário abundante da trama, também foram providenciais para contar a história de um mundo em que crianças híbridas, meio-humanas e meio-animais, surgem ao mesmo tempo que o vírus mortal. Elas então passam a ser caçadas e usadas em experimentos, na busca por uma cura.

O protagonista, Gus (interpretado pelo adorável canadense Christian Convery), é um garoto-cervo, salvo pelo pai da perseguição apocalíptica e criado na floresta. Eventualmente, o garoto de 10 anos fica sozinho e se alia ao viajante “Big Man” (o Homem Grande, vivido por Nonso Anozie) na busca por respostas e, especialmente, por sua mãe.

Christian Convery, como Gus, e Nonso Anozie, como Jepperd 'Big Man' em 'Sweet Tooth' -
Christian Convery, como Gus, e Nonso Anozie, como Jepperd ‘Big Man’ em ‘Sweet Tooth’ – Netflix/Divulgação

Para além de driblar uma pandemia – enquanto filmava uma pandemia fictícia –, a equipe de Sweet Tooth tinha um grande desafio: como fazer crianças com características animais de forma convincente? A resposta para essa pergunta oferecia dois caminhos: primeiro, bons atores-mirins; segundo, maquiagens impecáveis aliadas à equipe de efeitos especiais. Para a segunda parte, a produção contratou Grant Lehmann, artista australiano especialista em fantoches e fantasias eletrônicas. Entre suas criações para o figurino da série estão as orelhas flexíveis de látex que ornam a cabeça de Gus, logo abaixo de sua galhada. Deu-se então início a uma bem-sucedida atuação conjunta. Enquanto Convery, hoje com 11 anos, atuava encantando todos ao redor, Lehmann manejava um controle remoto que mexia as orelhas artificiais do menino em momentos propícios.

Continua após a publicidade

Ainda mais complicada, porém, foi a produção de bebês híbridos. Ao mesmo tempo em que o mundo se rende ao caos do lado de fora do hospital, lá dentro, uma maternidade exibe diversas crianças com traços da cachorros, gatos, aves, entre outros bichos. Para isso, os produtores optaram novamente por fantoches super-elaborados em vez de efeitos especiais computadorizados. Cada um deles era manejado por três ou quatro profissionais, amparados por um mecanismo instalado no corpinho dos bonecos que emulava a respiração. “Tinha que parecer o mais real possível, para a audiência acreditar naqueles bebês”, disse ao The New York Times o especialista Justin Raleigh, da empresa de efeitos visuais Fractured FX, contratada para criar os bebês.

Bebês híbridos em 'Sweet Tooth': fantoches elaborados -
Bebês híbridos em ‘Sweet Tooth’: fantoches elaborados – Netflix/Divulgação
Crianças híbridas em 'Sweet Tooth' -
Crianças híbridas em ‘Sweet Tooth’ – Netflix/Divulgação

Baseado em uma série de quadrinhos da DC Vertigo, assinada por Jeff Lemire, a trama foi abraçada pelo ator Robert Downey Jr, que começou a produzi-la com a Hulu, canal de streaming americano, antes de entregá-la nas mãos da Netflix. A plataforma ainda não oficializou uma segunda temporada, mas, com o sucesso que a série tem feito e por seu final que deixou tantas questões em aberto, a expectativa é que novos episódios sejam produzidos. As orelhinhas de Gus chegam a se agitar de tanta ansiedade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês