Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

O projeto secreto da HBO Max que põe o Brasil na rota do k-pop

Lançamento aposta em fenômenos do soft power coreano para cativar o público brasileiro

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 14 abr 2022, 19h42 - Publicado em 14 abr 2022, 06h00

Da varanda de um quartinho montado em uma laje, a adolescente Carol suspira por um futuro melhor enquanto admira a onipresente torre do relógio da estação de trem Júlio Prestes, no Bom Retiro, em São Paulo. No quarto, ela divide seus poucos pertences (cama, escrivaninha e um armário) com o almoxarifado do barzinho que sua tia Regina montou lá embaixo. Carol é filha de pai coreano com mãe brasileira, que já morreu. Criada pela tia, ela quer distância do país asiático após ter sido abandonada pelo pai. O problema é que o bairro paulistano abriga a maior colônia coreana do Brasil. Para aproveitar a febre do k-pop, sua tia transformou o barzinho em um café temático em homenagem aos ídolos do momento, o grupo coreano ACT, onde ela também trabalha para ajudar a tia. Certo dia, farta de tudo isso, Carol arremessa alguns objetos contra o guarda-­roupa, mas algo mágico acontece. O armário é um portal para o dormitório dos integrantes do ACT, em Seul, na Coreia do Sul, que atravessam para o seu quarto e bagunçam ainda mais a vida da garota.

K-POP - Os ídolos Jae Chan, Jin Kwon, Kim Woo Jin e Lee Min Wook (da esq. para a dir.): tipo exportação -
K-POP - Os ídolos Jae Chan, Jin Kwon, Kim Woo Jin e Lee Min Wook (da esq. para a dir.): tipo exportação – ./Divulgação

K-pop confidencial

A cena de fantasia rocambolesca, acompanhada pela reportagem de VEJA, foi gravada na última semana em um estúdio de São Paulo e faz parte da série adolescente Além do Guarda-Roupa, um esforço da HBO Max em produzir conteúdo nacional para o streaming. A atração, que deverá estrear no ano que vem, acompanha a explosão da cultura asiática no país, com o sucesso dos grupos de k-pop (como o BTS) e dos doramas (as bem-sucedidas séries dramáticas asiáticas). A atriz estreante Sharon Blanche, de 23 anos, que interpreta a protagonista e também é filha de imigrantes coreanos, diz se identificar com sua personagem. “Na adolescência, a maioria dos filhos de imigrantes passa por essa fase de descoberta da identidade e tenta se afastar da cultura dos pais”, conta ela, que fala coreano fluentemente.

O melhor guia de k-pop real oficial

Na outra ponta estão os disciplinadíssimos atores coreanos Kim Woo Jin, Jae Chan, Jin Kwon e Lee Min Wook, que interpretam os músicos do fictício ACT. Todos eles toparam ficar quatro meses em São Paulo para fazer as gravações (e nenhum deles fala português). Três deles já foram integrantes de grupos reais de k-pop. O mais famoso, Woo Jin, interpreta o bad boy Kyung e faz par romântico com Sharon. Já Jin Kwon ainda é membro do Newkidd. Ao final, a ideia dos produtores é que o ACT extrapole a ficção e vire, quem sabe, um grupo de verdade. “A sensação de formar o ACT foi a mesma que tivemos quando estreamos em nossos grupos antigos”, disse a VEJA Woo Jin. “Convivemos aqui no Brasil da mesma forma quando estávamos em um grupo de k-pop da vida real”, completou Jae Chan.

Continua após a publicidade

CENÁRIO - Bom Retiro: casa típica do bairro paulistano foi recriada em estúdio -
CENÁRIO - Bom Retiro: casa típica do bairro paulistano foi recriada em estúdio – Alile Dara/Divulgação

K-Pop – Manual de Sobrevivência

O interesse por cultura coreana vem crescendo por aqui e explica o investimento da HBO Max. Durante a pandemia, o Brasil foi um dos maiores consumidores de doramas do mundo e grupos como o BTS têm no país uma de suas maiores bases de fãs do planeta. Fazem também sucesso por aqui as séries exportadas da Coreia para o mundo, como Round 6, e filmes premiados, como Parasita, que ganhou o Oscar de melhor longa em 2020. Para Silvia Fu Elias, diretora de Conteúdos Roteirizados da HBO Max, a nova série representa uma aposta de longo prazo do canal, com dez episódios de trinta minutos cada um. “A ideia é que haja uma segunda temporada e possa ser exportada para a Coreia”, diz. Desde que a HBO Max estreou no Brasil, em junho de 2021, treze projetos nacionais já estrearam, como o musical Onda Boa, com Ivete Sanglo, o reality Queen Stars, com Pabllo Vittar e Luísa Sonza, e a série Hóspede Americano. Até 2023, a previsão é que outras quarenta produções sejam lançadas. A Coreia nunca foi tão pop.

Publicado em VEJA de 20 de abril de 2022, edição nº 2785

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

K-pop confidencial
K-pop confidencial
O melhor guia de k-pop real oficial
O melhor guia de k-pop real oficial
K-Pop - Manual de Sobrevivência
K-Pop – Manual de Sobrevivência

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)