Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Jennifer Lopez expõe falso progressismo do ‘Super Bowl’ em documentário

Além das polêmicas envolvendo o show que dividiu com Shakira, produção da Netflix expõe barreiras que a cantora enfrentou por ser latina em Hollywood

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 23 jun 2022, 15h24 - Publicado em 23 jun 2022, 15h14

No início de carreira, Jennifer Lopez disse que não se interessava muito por política – mas isso mudou com a ascensão do republicano Donald Trump, eleito presidente dos Estados Unidos em 2016, e a implantação de sua agressiva política anti-imigrantes. Foi da necessidade de se posicionar, atrelada às experiências pessoais, que a cantora latina criou sua apresentação no Super Bowl, em 2020. O show do intervalo arrebatou o público e se tornou um dos mais vistos no YouTube. Mas o que poucos sabem é que os bastidores foram para lá de conturbados. Lopez dividiu o palco com a também latina Shakira, artista colombiana, algo inédito na história da apresentação — o que gerou um embate tenso com a organização do show. Por trás da tela, a realidade nua e crua é que a ideia de juntar as duas cantoras foi apenas um expediente da NFL (National Football League), Liga Nacional de Futebol envolvida em escândalos por apoiar Trump, para passar a falsa imagem de progressista.

O drama vivido em meio a ensaios para o show do Super Bowl é exposto timidamente no documentário Jennifer Lopez: Halftime, disponível na Netflix. No filme, a estrela revisita seu passado, mostrando que, na infância, não se enxergava como cantora. Para a menina nascida em Nova York e criada no bairro do Bronx, ela era apenas a atleta e dançarina da família. Influenciada por musicais que a mãe assistia enquanto crescia, em especial Amor, Sublime Amor, a jovem, de fato, iniciou uma carreira artística na dança e logo em seguida migrou para atuação e música. Os percalços que encontrou para se tornar a artista que é hoje —  desbravando uma indústria que não era lá muito receptiva a mulheres latinas — são descritos por JLo na produção. 

Desde que ganhou os holofotes por seu papel em Selena (1997), filme biográfico no qual interpreta a cantora Selena Quintanilla, assassinada aos 23 anos pela presidente de seu fã-clube, Jennifer Lopez sentiu o peso negativo que Hollywood colocou em suas origens porto-riquenhas. Para além do clássico interesse dos tabloides apenas por seus relacionamentos amorosos, a cantora também foi alvo de muitas piadas sexualizando seu corpo, e que ressoavam o estereótipo da mulher latina — principalmente comentários sobre seu bumbum e suas curvas.

O documentário explora as discussões entre Jennifer e o diretor de música Kim Burse sobre o tempo do show, já que era quase impossível condensar todo o espetáculo planejado por ela em menos de 6 minutos. A apresentação, que teve forte mensagem em apoio aos imigrantes e à diversidade nos Estados Unidos, também quase sofreu censura dias antes de acontecer. A ideia de que a filha de Jennifer Lopez entrasse no palco saindo de uma espécie de gaiola para cantar Born in the USA fez com que os executivos da NFL tentassem vetar o momento porque seria um posicionamento político muito explícito. Apesar de esse drama ser abordado superficialmente pelo documentário, ao não se aprofundar nas polêmicas envolvendo os executivos do Super Bowl e a ligação deles com Trump, Jennifer bateu o pé e manteve sua manifestação política.

Para aqueles que não conhecem bem a trajetória de JLo, Jennifer Lopez: Halftime traz um ótimo panorama sobre como a artista conquistou a fama e todas as barreiras que enfrentou por ser uma mulher latina em posição de destaque em Hollywood. Os bastidores do Super Bowl são o fio condutor do documentário, mas a produção mergulha mesmo é na rotina de Jennifer, com momentos intimistas que mostram seu dia a dia corrido e sua relação com a família. É um pacote cheio de boas intenções – mas morno como um clipe de Jennifer Lopez.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)