Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Tela Plana

Por Kelly Miyashiro
Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming
Continua após publicidade

‘Euphoria’, com Zendaya, é o retrato mais honesto das dores juvenis na TV

Série chega à segunda temporada mostrando de forma explícita desde a tragédia do vício em drogas até as relações vazias na era da internet

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 30 jan 2022, 08h00

Falando diretamente para a câmera, a jovem Rue interrompe uma cena da série Euphoria e decide se explicar. Viciada em drogas, a adolescente quase morreu numa overdose aos 16 anos, foi internada em uma clínica de reabilitação e, desde que voltou para casa, tem mentido para a família sobre estar sóbria. O espectador sabe de tudo isso. Mas, iludido, ficou feliz quando, perto do fim da primeira temporada, Rue se manteve longe do vício por alguns meses — mas não durou muito. “Como uma personagem amada, por quem muitos torcem, sinto uma responsabilidade de tomar boas decisões. Mas tive uma recaída”, confessa a garota vivida pela mesmerizante Zendaya, olhando para o público. “Sendo justa, disse no início que não tinha a intenção de permanecer sóbria.” Rue lista então as mazelas pelas quais o mundo vem passando, e ironiza como esse cenário leva o público a buscar esperança na TV. Euphoria, ao contrário, nunca se propôs a ser um programa escapista — e sua protagonista segue sem freios em um tortuoso caminho de autodestruição.

Desde que foi lançada pela HBO, em 2019, Euphoria — inspirada numa série israelense de mesmo nome e que acaba de estrear sua segunda temporada — surpreende e provoca numa velocidade e potência atípicas para o filão adolescente. Drogas, depressão, aborto e abuso sexual são temas explorados pelo roteiro com transparência notável e representação visual gráfica impactante — a classificação indicativa da série é para maiores de 18 anos. Não bastassem os tormentos dessa fase da vida, a geração de Rue ainda lida com o vazio de um mundo dominado por celulares e redes sociais, agravante que transforma corpos e relações em produto e moeda de troca, indo do fácil acesso à pornografia até nudes espalhados sem o consentimento dos envolvidos — geralmente, mulheres.

Expoente do gênero chamado de coming of age, que acompanha o rito de passagem da adolescência para a vida adulta, Euphoria extrapola os limites desenhados por essa forma de ficção até aqui. Na série, os traumas da época da escola parecem tão incontornáveis que é difícil imaginar um futuro de paz para seus personagens — além de se temer pelas chances de sobrevivência de alguns deles até lá. São raras as séries de TV que se atrevem a olhar para os atos dos adolescentes quando os pais não estão por perto — não à toa, esses mesmos pais costumam ficar furiosos ou chocados com essas produções. A inglesa Skins, no ar de 2007 a 2013, foi pioneira ao observar de forma explícita estudantes nos últimos anos do colégio em festas regadas a sexo, drogas e rock’n’ roll. Mais dramática, 13 Reasons Why (2017-2020), sobre uma adolescente que se mata, chegou ao ranking dos títulos mais vistos da história da Netflix — e se tornou um dos mais controversos da plataforma ao ser acusado de glamourizar o suicídio. Adentrar o pântano de emoções e deslizes de menores de idade é tarefa inglória da qual Euphoria — que dobrou sua audiência na segunda temporada — dá conta com honestidade.

PIONEIRA - Kaya Scodelario em Skins: juventude transviada -
PIONEIRA - Kaya Scodelario em Skins: juventude transviada – (Company Pictures-UK/.)

A série se equilibra na linha tênue entre representar uma realidade sem julgar seus agentes — mas sem, na outra ponta, endossá-la. “Não deveria dizer isso, mas drogas são muito legais — até que deixam de ser”, afirma Rue ao mergulhar nas sensações provocadas pelas substâncias, em cena intercalada com o momento em que sofre a overdose em seu quarto. De forma paralela, outros personagens tão marcantes quanto a protagonista enfrentam seus próprios dramas. Jules (Hunter Schafer, ótima) encara as idiossincrasias de ser uma garota trans. Kat (a brasileira Barbie Ferreira) é filmada ao perder a virgindade e, então, entra para o submundo da pornografia cobrando por encontros virtuais. Enquanto isso, Nate (Jacob Elordi) — por assim dizer, o vilão da série — tenta estar à altura do pai machão, mas que nos bastidores de sua vida perfeita se encontra escondido com mulheres trans.

A reunião caleidoscópica de problemas em um só grupo é exagerada, mas intencional. “A ideia não é ser realista, mas retratar um realismo emocional”, disse o criador da série, Sam Levinson, 37 anos, que experimentou na adolescência a mesma luta de Rue com as drogas. Para fazer esse retrato, Levinson não economiza em cenários, luzes, figurinos e jogos de câmeras que fazem de Euphoria um deleite para os olhos e também uma caixinha de sentimentos sortidos, que vão do pânico ao romance em segundos — uma narrativa que capta a adolescência sem filtros.

Publicado em VEJA de 2 de fevereiro de 2022, edição nº 2774

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.