Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Chega de inveja, minha gente: deixem a Maju trabalhar

Nesta semana, a apresentadora da Globo sofreu mais um questionamento de sua competência. Há racismo aí - mas também ressentimento por seu sucesso pessoal

Por Marcelo Marthe Atualizado em 3 abr 2020, 13h01 - Publicado em 3 abr 2020, 12h51

Nem as imagens e notícias chocantes sobre o coronavírus impediram que um assunto infame mobilizasse a internet nesta semana: o debate sobre a competência de Maria Julia Coutinho. Vale recapitular os lances da mais nova história que envolve a apresentadora. Na segunda-feira 30, revelou-se que o ex-diretor de TV Rodrigo Branco detonou Maju em live numa rede social. Ele disse que a âncora do Jornal Hoje chegou aonde chegou na Globo não por mérito próprio, mas “por causa da cor” da pele. Branco pontificou que Maju “é horrível” e que, como diretor de televisão, enxerga cada mínimo erro dela na condução do telejornal matutino de maior audiência no país, incluindo até uma suposta dificuldade em ler o teleprompter.

Questionar a competência de Maju tem sido uma forma nada velada de discriminação. Mas, junto com isso, vem outra coisa igualmente detestável: pegar no pé de estrelas da TV como ela é uma forma ululante de inveja social.

O teor racista de ataques como esse – que não foi o primeiro do tipo sofrido por Maju – é evidente. Tanto que, apesar das desculpas públicas de Rodrigo Branco, a apresentadora decidiu de imediato processá-lo, como já processou outras pessoas pela mesma razão no passado. Racismo é crime, e deve mesmo ser combatido a todo custo. Mas o ponto a que quero chegar aqui é outro: está na hora de dar um tempo para a Maju.

Questionar sua competência tem sido uma forma nada velada de discriminação. Mas, junto com isso, vem outra coisa igualmente detestável: pegar no pé de estrelas da TV como ela é uma forma ululante de inveja social. Sim, inveja. E falo tanto dos colegas de emissora que não conseguiram abocanhar seu posto e vivem plantando fofocas sobre a moça quanto de uma parcela do público encastelada nas redes sob a forma de haters. Uns como os outros nada mais fazem do que repetir uma tendência atávica dos seres humanos: canalizar seu ressentimento para os pares da espécie que obtêm sucesso na vida.

ASSINE VEJA

Até quando? As previsões dos cientistas para o fim do isolamento A imensa ansiedade para a volta à normalidade possível, os dramas das vítimas brasileiras e a postura equivocada de Bolsonaro diante da crise do coronavírus
Clique e Assine

Maju dá umas engasgadas, briga com o teleprompter e já sorriu ao dar uma notícia triste? E daí, minha gente? O patrimônio dela é outro: o carisma. Não é preciso ser diretor de TV (e refiro-me aos bons, não aos ressentidos) para notar que, desde que começou a apresentar seus quadros meteorológicos, ela revelou uma empatia com o público rara de se ver na tela. Muitas telejornalistas rodadas tornam-se pálidas sombras quando surge alguém com um talento natural assim, mesmo que sejam craques no teleprompter.

Proponho, enfim, que se encare Maju mais ou menos como uma Grazi Massafera do telejornalismo. Grazi acumulou críticas por desempenhos sofríveis ao se tornar atriz, além de enfrentar a cara feia e os pontapés de colegas da Globo por ser uma ex-BBB com a audácia de atuar. Mas ela tinha estrela. A experiência e a dedicação fizeram de Grazi uma atriz bastante razoável, como se pôde notar em seu último trabalho, a novela das 7 Bom Sucesso.

Com mais tempo e aplicação, Maria Julia Coutinho também tem tudo para lapidar seu talento. Até lá, fica uma sugestão aos haters: deixem a Maju trabalhar.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)