Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

A arma do filme sueco ‘Caranguejo Negro’ para virar hit da Netflix

Se longa consegue prender o espectador até um final mal-amarrado, é por qualidades como a fotografia gélida - mas, principalmente, sua atriz principal

Por Marcelo Marthe 23 mar 2022, 13h06

A cena é o pesadelo que qualquer mãe abominaria: dentro do carro, parada num congestionamento, a sueca Caroline Edh (Noomi Rapace) vê sua conversa com a filha pequena ser interrompida abruptamente por pessoas correndo em fuga de um tiroteio. Mascarados chegam, arrebentam o vidro do automóvel e separam Edh da criança à força. Corta para algum tempo depois: a protagonista do filme Caranguejo Negro agora é combatente involuntária em um dos lados da hipotética guerra civil que dilacera uma Suécia atingida pelo caos climático. Junto com outros homens, Edh ganha a missão periclitante cujo nome dá título ao longa: atravessar o mar congelado de patins, muitas vezes arrastando-se como o crustáceo, para levar a outra cidade objetos que contêm uma arma capaz de definir a vitória de seu lado no conflito. A isca para conduzi-la até lá sem pestanejar é a promessa de que irá rever a filha perdida.

Com essa equação que promete drama, ação e heroísmo, Caranguejo Negro vem se mantendo por dias a fio no topo do ranking de programas mais assistidos da Netflix. Seu final entrega menos respostas do que deveria – mas até ali o espectador já ficou mais de uma hora diante da tela com certa dose de satisfação garantida. Afinal, as armas do diretor Adam Berg são eficazes. Em matéria de timing, o homem deu uma sorte danada: o mundo cinzento e pós-apocalítico de cidades destruídas pela insensatez da guerra ganha urgência e atualidade no momento em que as imagens do conflito na Ucrânia são exibidas sem parar no noticiário. Colocar o foco de tensão nos patinadores do gelo é uma sacada bárbara: a fotografia dos combatentes deslocando-se sob a escura noite nórdica oferece um balé cinematográfico original. Algumas cenas chegam a ser memoráveis – como aquela em que eles tropeçam em um cemitério macabro na sua rota congelante.

O que permite chegar até o desenlace mal-amarrado sem sentir o tempo passar, contudo, é a atuação magnética de Noomi Rapace. A atriz é uma estrela global em ascensão, com rosto reconhecível em várias outras produções na Netflix, como Close e The Trip. No novo sucesso, ela confere estâmina e sangue quente à figura da mãe ferida que faz até o impossível para ter a filha de volta – uma premissa que injeta benéfica dose de melodrama na paisagem fria do filme. Se Caranguejo Negro tem algum borogodó, ele se chama Noomi.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)