Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

‘Tintim por tintim’, de onde saiu isso?

“Aprendi que a palavra tintim, usada nos brindes, é uma onomatopeia de copos batendo, o que faz todo sentido para mim. O que não consigo entender é o que a expressão ‘tintim por tintim’ tem a ver com isso.” (Carlos Henrique Monteiro) A origem da popularíssima locução adverbial “tintim por tintim” – que, como se […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 05h23 - Publicado em 16 set 2013, 17h12

“Aprendi que a palavra tintim, usada nos brindes, é uma onomatopeia de copos batendo, o que faz todo sentido para mim. O que não consigo entender é o que a expressão ‘tintim por tintim’ tem a ver com isso.” (Carlos Henrique Monteiro)

A origem da popularíssima locução adverbial “tintim por tintim” – que, como se sabe, significa “nos mínimos detalhes, com minúcias” – está provavelmente ligada, como a da interjeição tintim que Carlos Henrique menciona, a uma imitação sonora. No caso, não de copos batendo, mas de moedas tilintando.

E o que moedas têm a ver com o sentido de “nos mínimos detalhes”? No século XIX, em seu livro “Origens de anexins”, o latinista Castro Lopes expôs a seguinte tese, que seria acolhida por João Ribeiro, Antenor Nascentes e a maioria dos estudiosos de expressões populares (releve-se a grafia tentim, que caiu em desuso):

Quem conta uma história ou narra um acontecimento tentim por tentim, faz como o que conta dinheiro de ouro ou prata, moeda por moeda; as quais, à medida que vão caindo umas sobre as outras, vão produzindo um som semelhante a estes monossílabos tim, tim; tim tim.

Ou seja: quem conta uma história “tintim por tintim” o faz com vagar e cuidado, como se contasse moedas, sem deixar escapar nenhuma minúcia, por menor que seja. Trata-se, é bom deixar claro, de uma tese – provável, mas não comprovada acima de qualquer dúvida.

O Houaiss registra que há quem derive a interjeição tintim de tsing-tsing, expressão do inglês pidgin falado na China – o que soa, convenhamos, um tanto viajante. E o próprio Castro Lopes oferece a seguinte explicação alternativa para “tintim por tintim”, deixando no ar algumas pistas de que é por esta que se inclinam suas simpatias: a de que tudo teria começado com o advérbio latino pedetentim (“pé ante pé, de mansinho”).

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Toda quinta-feira o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês