Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Alho-poró, alho-porro: o eufemismo está na mesa

‘Natureza morta com alhos-porós’, de Carl Schuch A história do alho-poró é divertida. Conhecida em Portugal como alho-porro (ou ainda porró ou porrô), a saborosa erva chamada cientificamente de Allium ampeloprasum ou porrum ganhou no Brasil a variação eufemística “poró” como forma de atenuar a associação com o palavrão “porra”. Este, ninguém ignora, é entre […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 03h09 - Publicado em 2 set 2014, 17h01

'Natureza morta com alhos-porós', de Carl Schuch

‘Natureza morta com alhos-porós’, de Carl Schuch

A história do alho-poró é divertida. Conhecida em Portugal como alho-porro (ou ainda porró ou porrô), a saborosa erva chamada cientificamente de Allium ampeloprasum ou porrum ganhou no Brasil a variação eufemística “poró” como forma de atenuar a associação com o palavrão “porra”. Este, ninguém ignora, é entre nós um sinônimo de esperma, uma palavra-ônibus de amplo espectro negativo e uma interjeição grosseira de uso disseminado. Não ficava bem levá-lo à mesa, confere?

A associação do alho-porro com o vocábulo “porra” não é uma coincidência: suas raízes etimológicas são firmes, mas, por incrível que pareça, inteiramente desprovidas de malícia. Para bem compreendê-las é preciso levar em conta algumas informações:

1. Que “porra” é essa? A acepção da palavra que é mais difundida no Brasil, exposta acima, não tem nada a ver com a história. O nome da erva está ligado ao sentido original de “porra”, isto é, “tipo de maça, arma contundente com cabeça redonda e haste alongada”. O mesmo que deu origem ao substantivo “porrete”, seu diminutivo, muito usado ainda entre nós.

2. Foi a porra-arma que pegou seu nome emprestado do alho-porro, e não o inverso. O etimologista catalão Joan Corominas conta que tudo começou no latim, quando a semelhança de forma com a erva (porrum) deu origem ao adjetivo porrea para qualificar certo tipo de maça ou clava.

3. Não demorou para que “porra” virasse um palavrão em português, mas a princípio como sinônimo de membro sexual masculino. É assim que a encontramos na poesia de Bocage em fins do século XVIII. Já a acepção tipicamente brasileira tem origem meio nebulosa, embora seja razoável supor que brotou como expansão daquela que encontramos em Bocage.

Como se vê, a associação com o alho não deve nada a nenhum dos sentidos tabuísticos da palavra. Mesmo assim, convenhamos que os falantes brasileiros têm lá suas razões para preferir “alho-poró”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)