Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

A bizarra história da palavra ‘bizarro’

O Coringa (Jared Leto) de ‘Esquadrão suicida’, filme que estreia em 2016 O expressivo adjetivo “bizarro” passa por uma onda de revalorização no português brasileiro, talvez impulsionado pelas notícias bizarras – ou seja, extravagantes, estranhas, incomuns, de difícil explicação – que se tornaram uma editoria de grande visitação na maior parte dos portais eletrônicos. É […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 00h47 - Publicado em 4 ago 2015, 14h12

O Coringa (Jared Leto) do filme 'Esquadrão suicida', que estreará em 2016

O Coringa (Jared Leto) de ‘Esquadrão suicida’, filme que estreia em 2016

O expressivo adjetivo “bizarro” passa por uma onda de revalorização no português brasileiro, talvez impulsionado pelas notícias bizarras – ou seja, extravagantes, estranhas, incomuns, de difícil explicação – que se tornaram uma editoria de grande visitação na maior parte dos portais eletrônicos. É uma palavra que está na boca dos jovens, o que deve lhe garantir vida longa.

Bizarramente, o termo “bizarro” desembarcou em nossa língua no século XVI com um sentido bem diferente, hoje em desuso. Bizarro queria dizer – como também no espanhol, onde fomos buscar a palavra – garboso, fogoso, valente, elegante, gentil ou nobre.

Foi no francês bizarre que se consolidou desde cedo, por caminhos obscuros, o significado de “muito estranho” que acabaria exportado para o inglês e, no fim das contas, também para o português e o espanhol.

Claro que os puristas tentaram banir esse uso. “Galicismo semântico!”, acusaram, propondo em seu lugar o emprego de sinônimos vernaculares como “extravagante, desusado”. Perderam, claro, pois o movimento da história estava contra eles. Hoje, se não fosse a acepção nascida na França, é provável que “bizarro” tivesse se tornado entre nós uma palavra de museu.

Não é apenas nas variações de sentido que o adjetivo “bizarro” confunde os etimologistas. Sua origem também não é pacífica, com duas teses disputando a preferência dos estudiosos: a dominante é a de que nasceu no italiano bizzarro, que quer dizer “colérico”, isto é, cheio de bizza, “cólera”; mas há também a história de que poderia ter surgido no francês a partir do basco bizar, “barba”, com a explicação de que soldados espanhóis barbudos pareciam estranhos aos franceses.

É ou não é bizarra a etimologia?

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês