Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Política com Ciência Por Sérgio Praça A partir do que há de mais novo na Ciência Política, este blog do professor e pesquisador da FGV-RJ analisa as principais notícias da política brasileira. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O segundo apagão de Pedro Parente

Desprestigiado, Pedro Parente precisa se explicar sobre negócios particulares

Por Sérgio Praça Atualizado em 1 jun 2018, 19h19 - Publicado em 1 jun 2018, 12h37

Pedro Parente foi chefe da Casa Civil durante o segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), de 1999 a 2003. Também presidiu a Câmara de Gestão da Crise de Energia entre 2001 e 2002, durante a crise do “apagão”. Além disso, foi um dos integrantes de uma comissão liderada por Maílson da Nóbrega, durante o governo de José Sarney (PMDB), para propor um novo desenho institucional para as finanças públicas brasileiras. A comissão resultou na criação da Secretaria do Tesouro Nacional, um dos marcos mais importantes para a condução da economia desde a criação do Banco Central em 1964. Em seus mais de 40 anos de carreira, também atuou no setor privado.

Dois acontecimentos recentes mancham seu currículo.

Pertencer a um governo como o de Michel Temer (MDB), comandado por políticos acusados de diversos crimes, não faz bem a ninguém. Esperar apoio de pessoas da laia de Eliseu Padilha (MDB), Moreira Franco (MDB) e o próprio presidente durante a greve dos caminhoneiros (ocasionada, entre outros fatores, por um erro de timing do reajuste de preços pela Petrobras) é um infortúnio. Se o apoio viesse, seria constrangedor. Qualquer elogio desses emedebistas é vergonhoso para uma pessoa decente. Sem apoio firme, com credibilidade, Parente foi jogado aos leões.

E aí está a segunda questão. Apesar de seu currículo impecável no setor público, Parente precisa dar explicações sobre seus negócios privados. De acordo com o jornalista Filipe Coutinho, da revista digital Crusoé  o ex-presidente da Petrobras contratou a Dana Tecnologias, sem licitação, para prestar um serviço à estatal. Até aí, tudo bem. O problema é que o dono da Dana Tecnologias, Odilon Nogueira, criou uma firma de investimentos que se tornou sócia da Viedma Participações, que conta com a presença de Parente.

Sem o fardo de lidar com caminhoneiros descontentes, Pedro Parente terá tempo de sobra para se explicar.

(Meu livro Guerra à Corrupção: Lições da Lava Jato  está disponível aqui)

(Entre em contato pelo meu site pessoalFacebookTwitter e email)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)