Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Política com Ciência Por Sérgio Praça A partir do que há de mais novo na Ciência Política, este blog do professor e pesquisador da FGV-RJ analisa as principais notícias da política brasileira. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A corrupção é defensável?

Todo brasileiro sonha com a seguinte empreiteira para realizar obras públicas. Ela nunca se envolveu com financiamento de campanha, pois isso poderia comprometer a lisura das licitações; tem experiência reconhecida em projetos semelhantes; não tem, em seu rol de gerentes e diretores, ninguém que já foi condenado por qualquer tipo de crime. A impressão que as operações […]

Por Sérgio Praça Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 26 out 2015, 16h03

Todo brasileiro sonha com a seguinte empreiteira para realizar obras públicas. Ela nunca se envolveu com financiamento de campanha, pois isso poderia comprometer a lisura das licitações; tem experiência reconhecida em projetos semelhantes; não tem, em seu rol de gerentes e diretores, ninguém que já foi condenado por qualquer tipo de crime.

A impressão que as operações anticorrupção deixam é que, nessas condições, sobrariam poucas empreiteiras para concorrer a obras públicas. Haveria, então, um dilema oculto no debate público suscitado pela Operação Lava Jato, que investiga relações corruptas entre a Petrobras e empreiteiras: será que é preciso tolerar um pouco (ou um tanto) de corrupção para não paralisar o país? Ao contrário do que políticos podem dizer publicamente, acabar com a corrupção traz um risco de atrasar obras de que os brasileiros precisam com urgência.

Não se trata, é claro, de fazer apologia da corrupção. Tampouco de defender a impunidade e o uso de uma empresa semi-pública, como a Petrobras, para financiamento ilegal de campanha. Mas o combate à corrupção pode ter efeitos desagradáveis, como mostram os economistas Guilherme Lichand, Marcos Lopes e Marcelo Medeiros, no estudo “A corrupção faz bem para a saúde?”. Eles descobriram que as auditorias de gastos municipais com saúde realizadas pela Controladoria-Geral da União têm um efeito positivo para reduzir a corrupção – mas simplesmente porque os gestores locais passam a gastar menos!

Ao ficarem com medo de ser responsabilizados por atos corruptos (feitos por eles mesmos ou por pessoas que eles não conhecem), acabam diminuindo a provisão deste serviço público tão fundamental. Há menos corrupção, sem dúvida – mas também menos leitos em hospitais. Em Brasília, vários gestores públicos me disseram que “colocar o CPF em jogo” pode ser muito arriscado – e, por isso, eles têm medo em iniciar projetos que não podem controlar depois.

No mundo ideal, concorrentes impolutas substituiriam as empresas envolvidas em escândalos, sem perda de eficiência nas obras. Mas chegar a esse mundo (ou pelo menos mais perto dele), não é simples. Cientistas políticos consagrados, como Samuel Huntington e Joseph Nye, já defenderam que a corrupção funciona como graxa nas engrenagens da economia, e não areia. Será hora de voltar a lê-los?

(Entre em contato pelo meu site pessoal, Facebook e Twitter)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)