Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Rio Grande do Sul

Por Veja correspondentes Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre
Continua após publicidade

Apoio a Geraldo Alckmin (PSDB) racha PP gaúcho

Um dos principais líderes progressistas e candidato ao Senado anunciou que fará campanha a Bolsonaro (PSL)

Por Paula Sperb
Atualizado em 12 set 2018, 20h21 - Publicado em 12 set 2018, 18h32

Deputado federal mais votado do Rio Grande do Sul e candidato ao Senado, Luis Carlos Heinze (PP-RS), anunciou na tarde desta quarta-feira, 12, que apoiará o também deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) à Presidência da República.

O partido de Heinze, entretanto, apoia a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) desde que a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS) passou a ser vice na chapa do tucano. Heinze era pré-candidato a governador e teve que abrir mão de concorrer ao Executivo após a decisão de Ana Amélia. O PP gaúcho, então, deixou de ter candidatura própria, e passou a apoiar também a candidatura de Eduardo Leite (PSDB) ao governo gaúcho.

O anúncio de Heinze escancarou o racha interno do partido. Desde que era pré-candidato a governador (leia aqui a entrevista), Heinze já declarava apoio a Bolsonaro. Diversos candidatos a deputado do PP possuem santinhos de campanha sem indicar o voto em Alckmin, deixando o espaço em branco.

“Hoje a gente quer anunciar oficialmente a posição em apoio a Jair Bolsonaro. Temos um trabalho de muito tempo, estou com ele há vinte anos na Câmara de Deputados, temos relação de amizade pessoal, não é momentânea. Há quatro anos, no PP, Bolsonaro queria ser candidato a presidente da República e pediu apoio aos parlamentares para que tivesse apoio para disputar em 2014. Quatro parlamentares do PP assinaram para que ele fosse candidato, eu fui um dos quatro. O PP acabou não dando espaço e ele saiu do partido”, disse Heinze na coletiva de imprensa.

Continua após a publicidade

“Minha preocupação é ficar em paz com a minha consciência. O que não posso é [ficar] eu me remoendo por dentro com uma posição e não conseguir externalizar essa posição que, casualmente, é o que a minha base me cobra. Posso perder votos? Posso até perder, dentro do meu partido ou de partido coligado, não tem problema nenhum. Faz parte do jogo”, complementou Heinze.

Durante a última visita de Bolsonaro no Rio Grande do Sul, Heinze acompanhou o presidenciável em diversas agendas, como na Expointer, feira agropecuária tradicional no estado. Já a participação ao lado de Alckmin, que também visitou recentemente o estado, foi mais discreta.

Segundo pesquisa do Ibope feita no Rio Grande do Sul, encomendada pelo Grupo RBS, Alckmin tem apenas 6% da intenção de votos entre os gaúchos enquanto Bolsonaro lidera com 26% no estado.  Em segundo lugar aparecem Ciro Gomes (PDT), com 9%, Fernando Haddad (PT), com 9%, e Marina Silva (Rede), com 6%.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.