Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

MPF pede que governo renove projeto para vítimas da ditadura

Convênio do Ministério da Justiça para manter Clínicas do Testemunho no Rio Grande do Sul expirou em dezembro sem ser renovado

Por Paula Sperb Atualizado em 3 jan 2018, 17h54 - Publicado em 1 jan 2018, 11h53

Em funcionamento desde 2013, a rede de Clínicas do Testemunho acolhe vítimas da ditadura brasileira e da violência de estado, entre 1946 e 1988, com atendimento psicológico individual e em grupos para tratar traumas sofridos no período. A rede já atendeu também militares que sofreram danos e suas famílias. Porém, o convênio do Ministério da Justiça com as entidades que realizam o atendimento expirou no último dia 29 de dezembro, sem ter sido renovado.

Temendo que o projeto possa ser encerrado no Rio Grande do Sul, o Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), ajuizou uma ação civil pública para que a União prorrogue o convênio com o Instituto Appoa – Associação Psicanalítica de Porto Alegre, que também atende Santa Catarina. De acordo com o MPF, a renovação do governo federal não exigiria novo aporte financeiro pelo próximo ano. Ainda assim, a renovação garantiria o funcionamento legal da rede de atendimento. Procurado por VEJA, o Ministério da Justiça, por meio da Comissão de Anistia, informou que “que não houve lançamento de nova chamada pública no ano de 2017 e, portanto, não há, até o momento, previsão de valores a serem desembolsados no presente exercício”.

Entre 2013 e 2015, a primeira fase do projeto, o governo investiu 2 milhões de reais no projeto. A rede é “um primeiro esforço do Estado brasileiro na tentativa de reparar os efeitos das marcas psíquicas deixadas pelas graves violações de direitos humanos do período da ditadura civil-militar (1964-1985)”, diz a descrição do Ministério da Justiça.

“As vítimas de graves violações de direitos humanos estão sujeitas a sequelas que demandam atendimento médico e psicossocial contínuo, por meio da rede articulada intersetorialmente e da capacitação dos profissionais de saúde para essa finalidade especifica. A administração pública deve garantir a efetividade desse atendimento”, diz relatório da Comissão Nacional da Verdade, de 2014.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)