Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Rio Grande do Sul Por Veja correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens gaúchos. Por Paula Sperb, de Porto Alegre

Ato tem funk ‘Que tiro foi esse?’ e ‘julgamento’ dos ministros do STF

Organização do protesto ironizou tiros em ônibus de caravana de Lula e fez “performance artística” com integrantes do STF considerados “culpados”

Por Paula Sperb Atualizado em 3 abr 2018, 20h40 - Publicado em 3 abr 2018, 20h36

Em ritmo do funk “Que tiro foi esse?”, da cantora Jojo Maronttinni, o protesto em Porto Alegre, na noite desta terça, para pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) a decidir contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ironizou também os ataques contra a caravana petista pelo Sul. Na quarta-feira, o STF irá votar se Lula pode recorrer em liberdade da condenação a doze anos de prisão.

O protesto também teve uma “performance artística” com bonecos dos ministros que provavelmente votarão a favor de Lula. Os bonecos foram pendurados em uma passarela e julgados como “culpados”.O público chegou a pedir, em coro, “queima, queima”. “Imagina que vamos queimar [bonecos] de ministros, não somos loucos”, disse um integrante da organização, no carro de som. “Quem jogou um isqueiro aqui: não precisa, não faremos isso”, acrescentou.

A paródia de “Que tiro foi esse?”, em repúdio a Lula, recebeu os versos “Foi tudo armado” e “Fura a lata e se vitimiza, é a caravana do fiasco”. A hipótese de atentado forjado, defendida pelos integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) no carro de som, até o momento não foi confirmada pela polícia do Paraná, onde os tiros contra o ônibus foram disparados.

A versão do funk foi cantada diante de 50.000 pessoas. Esse é o número de participantes do protesto, segundo a organização, presentes na Avenida Goethe, em frente Parcão. A Brigada Militar, a PM gaúcha, não confirmou o número quando questionada por VEJA e informou não contabilizar o número de manifestantes. “A mídia vai dizer amanhã que tinha três mil pessoas [no protesto], então vamos gritar para eles: 50 mil!”, dizia no microfone um integrante do MBL.

O movimento que defende a revogação do estatuto do desarmamento, o “Armas pela Vida”, também participou do ato para pressionar o STF contra Lula, alegando que o habeas corpus irá dar liberdade a “assassinos, traficantes, estupradores e pedófilos”.

Continua após a publicidade

Uma vaquinha virtual coletou 3.573 reais para o evento – a meta era de 16.000 reais.

Pelo carro de som, passaram diversos políticos, incluindo um integrante do secretariado do prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB), ligado ao MBL. O secretário Ramiro Rosário, da pasta de Serviços Urbanos, falou ao microfone, assim como os vereadores Ricardo Gomes (PP), Comandante Nádia (PMDB) e Felipe Camozzato (Novo).

“[O julgamento] é o divisor de águas da história do Brasil. Se hoje estamos nas ruas, pressionando politicamente um tribunal, é porque o tribunal, que deveria agir independentemente, já está sucumbindo”, disse Marcel van Hattem (Novo), candidato a deputado federal.

Por causa do ato, o trânsito foi bloqueado e linhas de ônibus precisaram ser desviadas.

Organização Luiza Veber/Divulgação
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)