Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

O mundo gira, a Lusitana roda, a mamata permanece

Em seu caminho atrás do dinheiro, a CPI encontra mais um indício de irregularidade

Por Ricardo Rangel Atualizado em 16 jun 2021, 14h04 - Publicado em 16 jun 2021, 14h01

Em 2017, durante o governo Temer, o empresário Francisco Maximiano pediu ao Ministério da Saúde que liberasse pagamento antecipado para um contrato de medicamentos no valor de 19 milhões de reais.

A Coordenação de Execução Orçamentária e Financeira do ministério, com base em orientação normativa da AGU, negou. Dois dias depois, o funcionário responsável foi exonerado. Mais tarde, relatou ao MP ter sofrido pressão do então ministro, Ricardo Barros, para autorizar a liberação irregular.

O mundo girou, Temer saiu, Bolsonaro entrou, Ricardo Barros, acusado de corrupção na Lava-Jato, deixou de ser ministro e passou a ser líder do governo na Câmara. A Lusitana rodou, Maximiano se tornou intermediário na compra da vacina indiana Covaxin.

Maximiano foi recebido na embaixada do Brasil em Nova Deli em 7 de janeiro. No dia seguinte, Bolsonaro enviou carta ao premier indiano informando que a Covaxin havia sido uma das vacinas “escolhidas” pelo Brasil. Não era verdade: naquela época, as únicas vacinas que constavam do Plano Nacional de Imunização do governo eram AstraZeneca, Coronavac, Pfizer e Covax Facility.

Em fevereiro, o governo assinou contrato para comprar 20 milhões de doses da Covaxin por 1,6 bilhão de reais (o contrato com a Pfizer só seria assinado no mês seguinte).

Bolsonaro só comprou a AstraZeneca depois que Doria marcou data para iniciar a vacinação, sabotou a Coronavac o quanto pôde, ignorou a Pfizer durante meses, entrou no Covax Facility com a cota mínima.

Mas teve pressa para comprar uma vacina da qual ninguém nunca tinha ouvido falar, não havia sido aprovada por ninguém, estava envolta em controvérsias, e, a 80 reais a dose, é a vacina mais cara comprada pelo Brasil até agora.

A CPI acaba de aprovar a quebra de sigilo de Francisco Maximiano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)