Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Ricardo Rangel

Dois motivos para acreditar em um 2022 mais feliz

Nos últimos tempos, todo ano tem sido pior do que o anterior, mas é possível crer que o ano que vem será melhor

Por Ricardo Rangel Atualizado em 30 dez 2021, 13h15 - Publicado em 30 dez 2021, 12h59

Não anda fácil desejar feliz ano novo no Brasil.

De uns tempos para cá, todo ano é pior do que o anterior, parece uma maldição. É a pandemia, a crise econômica, o desmonte das instituições, a destruição do meio ambiente, a crise na educação. Até a fome, que estava fora do noticiário há quase 20 anos, voltou.

Apesar do cenário de crescente devastação, há motivos para estar — cautelosamente — esperançoso em relação a 2022. Dois motivos, mais precisamente.

O primeiro é a vacinação, com destaque para a vacinação infantil, que deve começar em janeiro. Com ela chegaremos à imunidade coletiva, que dará fim à pandemia de Covid-19 (ou fará com que ela deixe de ser letal e provoque poucas sequelas, o que dá na mesma).

O segundo motivo é que tudo indica que o Brasil finalmente se livrará do pior presidente que já teve em sua história — e poderá voltar a sonhar com um futuro melhor.

Assim sendo… feliz ano novo é o que desejo a você, querido leitor, querida leitora.

E até 2022.

Continua após a publicidade

Publicidade