Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Continua após publicidade

Bolsonaro anuncia a mais insana das viagens

Ao anunciar sua ida a Moscou, o capitão demonstra mais uma vez que a racionalidade não é seu forte

Por Ricardo Rangel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 jan 2022, 10h24 - Publicado em 27 jan 2022, 17h59

A Rússia tem mais de 100 mil soldados estacionados na fronteira com a Ucrânia. Vladimir Putin ameaça invadir o país a qualquer momento.

Uma agressão não provocada a um país europeu é uma agressão a toda a Europa, e também a seu principal aliado, os EUA. Trata-se da pior crise diplomática vista no mundo desde os mísseis de Cuba, há 60 anos. Se a guerra de fato ocorrer, ninguém sabe quanto tempo durará — a Ucrânia dá mostras de que está disposta a resistir —, mas sabe-se que as consequências humanas e econômicas para o mundo inteiro serão gravíssimas.

Esse é o contexto em que Jair Bolsonaro teve a brilhante ideia de anunciar sua ida a Moscou.

Demonstrar apoio a Putin no momento em que ele ameaça se lançar em uma guerra de conquista é imperdoável do ponto de vista dos EUA e da Europa, nossos principais parceiros além da China. Com essa viagem, temos muito a perder e nada a ganhar (a Rússia está em 33º lugar em nossa balança comercial, e o saldo é negativo).

Como se já não fosse ruim o suficiente, a chance de Putin invadir a Ucrânia enquanto Bolsonaro estiver lá é significativa. Se isso acontecer, será o maior dos pesadelos diplomáticos.

Continua após a publicidade

A viagem é um erro tão grave e profundo, pode ter consequências tão negativas para o Brasil, que os ministros das Relações Exteriores, da Defesa, da Agricultura e da Economia deveriam ameaçar se demitir em protesto (como o governo Bolsonaro é o que se sabe, os quatro estão na comitiva presidencial). Já os militares brasileiros, que tanto apoiaram e ainda apoiam Bolsonaro, não podem se demitir, mas é inconcebível que estejam vendo essa viagem insana com bons olhos.

Qualquer presidente minimamente racional, especialmente se em campanha pela reeleição, manteria distância de um potencial conflito bélico envolvendo EUA, Europa e Rússia.

Mas “racionalidade”, ainda que mínima, e “Bolsonaro” são palavras que não costumam frequentar as mesmas frases.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.