Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

Bem-intencionada ou não, a decisão de Fachin continua um desastre

O Supremo tem que entender que precisa parar de roubar no jogo

Por Ricardo Rangel Atualizado em 11 mar 2021, 17h42 - Publicado em 9 mar 2021, 12h59

Por mais que tenha tido a (boa) intenção de impedir que a Lava-Jato seja desmontada por completo — o que abriria perspectivas aterradoras, como a hipótese de o Estado brasileiro ter que devolver a notórios ladrões os bilhões de reais que todo mundo sabe que eles roubaram — a decisão de Fachin continua sendo desastrosa.

Não cabe a um ministro tomar decisões com objetivos políticos, por melhores que sejam suas intenções.

Fachin que encaminhasse o assunto ao plenário. E se antes que ele pudesse ser apreciado pelo colegiado, o terceto Gilmar, Lewandowski e Kassio Marques tomasse a declarasse Moro suspeito, que assim fosse.

Seria melhor por muitos motivos.

Primeiro, porque a parada não estaria perdida. Uma eventual decisão a favor da suspeição de Moro se daria por 3 a 2 (Carmen e o próprio Fachin votando contra) e provavelmente acabaria no plenário, que a reverteria. E se não revertesse, paciência: o plenário é soberano.

Continua após a publicidade

Segundo, porque do ponto de vista da respeitabilidade do Supremo, a decisão de que Moro é suspeito, equivocada ou não, é ao menos defensável, pois o que a Vaza-Jato trouxe à superfície é novo e é mesmo comprometedor. Já a decisão de Fachin é completamente indefensável.

Terceiro — um pouco de realpolitik aqui — porque a manobra pode não dar certo. Gilmar ignorou a decisão de Fachin e a votação sobre a suspeição de Moro deve continuar.

Quarto, se a corte se divide entre ministros “do bem”, a favor da punição dos corruptos (como pretendem ser Fachin e Carmen), e “do mal”, a favor da impunidade (como seriam, nesse cenário, Gilmar e os outros), é importante que fique claro para o distinto público quem são os mocinhos. Dica: mocinhos não trapaceiam.

Por fim, porque não se pode combater o roubo no jogo (no caso de se admitir que Gilmar e cia estariam roubando no jogo) com mais roubo no jogo. Foi o uso frequente desse tipo de manobra política, que submete o interesse da lei e do Estado de Direito aos interesses políticos dos ministros no momento da decisão, que deu ao Supremo a imagem que ele tem hoje. Imagem essa mais suja do que pau de galinheiro.

Para quem gosta de torcer, o que resta agora é torcer para que o plenário revogue a decisão de Fachin e revogue também uma eventual decisão do terceto GLK pela suspeição de Moro.

Fora disso, é mais desmoralização para o Supremo, mais fragilidade para a democracia e maior a chance de Bolsonaro, o antidemocrata por excelência, se reeleger.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)