Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Ricardo Rangel

Assédio sexual é péssimo para Bolsonaro, mas vem mais por aí

O escândalo envolvendo Pedro Guimarães se junta a um maremoto de más notícias

Por Ricardo Rangel Atualizado em 29 jun 2022, 16h50 - Publicado em 29 jun 2022, 16h49

Pelo menos cinco funcionárias da Caixa Econômica Federal denunciaram o presidente da empresa, Pedro Guimarães, por assédio sexual. Os relatos escancaram crime por qualquer ângulo que se observe.

Assédio sexual é um crime particularmente abjeto e covarde. O criminoso conta que a vítima não o denunciará por medo de ser retaliada ou mesmo, sendo nosso país o que é, pelo medo de ser mal falada. Que Guimarães seja processado e julgado criminalmente na forma da lei.

O Brasil é um país que maltrata mulher desde sempre, mas vivemos tempos especialmente cafajestes. Nosso presidente acha que ter filha mulher é “fraquejar”, diz a uma mulher que “não te estupro porque você não merece” e muito mais. Seu exemplo é seguido em vários lugares, não só na CEF.

Bolsonaro está mal nas pesquisas e tem o desafio de reverter a enorme rejeição que sofre por parte das mulheres. Pois essas mulheres acabam de descobrir que Guimarães é um misógino e assediador contumaz, que isso é sabido no governo há tempos, e que mesmo assim era um dos favoritos do presidente (era habitué das lives de quintas-feiras). Ser marqueteiro de Bolsonaro não deve ser fácil, por sinal.

Nos últimos dias, vazaram a gravação de Milton Ribeiro e a mensagem de Roberto Castello Branco, ambas incriminando o presidente; pedidos de investigação contra Bolsonaro foram encaminhados ao Supremo; a CPI do MEC passou com folga; e já há quem fale em CPI da Petrobras. Tudo indica que Guimarães comete crime de assédio há anos, mas foi só agora que vieram denúncias a público.

Não é coincidência. As revelações contra Bolsonaro e o governo estão vindo à tona porque há uma percepção generalizada de que o governo está fragilizado, vulnerável, sem condições de reagir.

O governo está nas cordas, e, a cada novo escândalo, se torna ainda mais difícil reverter a situação.

E — pode escrever — vem mais por aí.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)