Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Se transporte fosse gratuito, como reivindicam os terroristas, isso beneficiaria os mais endinheirados. Ou: Nem o maná era de graça: Deus cobrava, ao menos, bom comportamento

É espantoso que estejamos fazendo no Brasil o debate sobre a “gratuidade” do transporte público. Na verdade, é absurdo até mesmo que se empregue essa palavra. Nem o maná que Deus fez despencar do céu era de graça. O Senhor cobrava, ao menos, bom comportamento. Atenção! É reduzidíssima a parcela de pessoas que pagam a […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 06h02 - Publicado em 12 jun 2013, 16h07

É espantoso que estejamos fazendo no Brasil o debate sobre a “gratuidade” do transporte público. Na verdade, é absurdo até mesmo que se empregue essa palavra. Nem o maná que Deus fez despencar do céu era de graça. O Senhor cobrava, ao menos, bom comportamento. Atenção! É reduzidíssima a parcela de pessoas que pagam a tarifa cheia de transporte — deve ser uma minoria extrema. Por que digo isso? Vamos ver.

Os estudantes, como todos sabem, têm direito à meia passagem, em qualquer fase da vida escolar, incluindo a universidade. É uma das barbaridades vigentes no Brasil. Assim, tenham ou não os indivíduos recursos para arcar com a essa despesa, a categoria “estudantes” goza do benefício. Uma privilégio econômico, pecuniário, que atende tanto a pobres como ricos é socialmente injusto por definição. Mas os radicaloides, claro!, não vão se incomodar com isso. Não sei o número, mas deve chegar perto de milhão os usuários que já pagam meia só em São Paulo.

Penso agora em outra categoria: as empregadas domésticas. Qualquer empregador sabe que elas cobram, vamos dizer assim, “por fora” o valor da condução. No passado, buscaram se proteger das elevações de tarifa e transformaram a prática num “direito”. Se o transporte passasse a ser gratuito, seus patrões é que se beneficiariam, não elas próprias. Porteiros e faxineiros também costumam combinar com os respectivos condomínios o pagamento integral do transporte.

Para os demais trabalhadores com carteira assinada, existe o vale-transporte. O beneficiário arcará com, no máximo, 6% de seu salário-base com essa despesa; o que exceder esse valor será responsabilidade do empregador. Alguém que ganhe R$ 1.200 por mês, por exemplo, gastará com deslocamento, no máximo, R$ 72. É o patrão que paga a o excedente.

Assim, o que parece ser uma reivindicação realmente radical, coisa que vai beneficiar o povo pobre, é, na prática, uma falácia. Se o transporte for gratuito, os maiores beneficiados serão os mais endinheirados. E a conta, claro!, cairá nos ombros do próprio povo. Ou alguém me diga de onde o Estado tira os recursos para arcar com esse custo. Estado gere, mas não gera dinheiro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.