Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Se, como deputado, Russomanno confunde público com privado, o que faria como prefeito?

Caso Supremo confirme condenação por peculato em primeira instância, ele estará fora da disputa

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 23h58 - Publicado em 2 dez 2015, 16h35

Quem tem Russomanno tem medo, né?

O Supremo Tribunal Federal pode tirar o deputado Celso Russomanno, do PRB, da disputa pela Prefeitura de São Paulo nas eleições do ano que vem. A candidatura do apresentador de TV depende do resultado do julgamento de um recurso que ele mesmo apresentou contra uma sentença de primeira instância, que o condenou no ano passado por peculato. A informação está na edição desta quarta da Folha.

Além de uma vitória no STF, Russomanno também poderá continuar na disputa se a corte demorar para fazer esse julgamento. Se ele não ocorrer até agosto de 2016, data-limite para o registro de candidaturas, ele estará autorizado a tentar a prefeitura. Se o Supremo mantiver a condenação da Justiça Federal do Distrito Federal, Russomanno ficará enquadrado na Lei da Ficha Limpa, tornando-se inelegível por oito anos. 

No caso em questão, o deputado foi condenado a dois anos e dois meses de prisão por ter nomeado como funcionária de seu gabinete, entre 1997 e 2001, a gerente de sua produtora de vídeo, a Night and Day Promoções. Segundo a Justiça Federal do Distrito Federal, Sandra de Jesus recebia salário como assessora pela Câmara, mas trabalhava de fato na empresa de Russomanno.

Continua após a publicidade

O caso é semelhante a um novo episódio recente. No atual mandato, o deputado federal nomeou como funcionários de seu gabinete cinco pessoas que atuam em sua ONG em São Paulo, o Inadec, Instituto Nacional de Defesa do Consumidor.

O apresentador lidera as pesquisas de opinião para a prefeitura, com uma média de 34% dos votos.

Pergunta óbvia: se, como simples deputado, ele parece não saber a diferença entre público e privado, ele saberia fazer a distinção como prefeito, no comando da cidade de São Paulo, cujo orçamento supera o de boa parte dos Estados brasileiros?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.