Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

República Sindical 3 – Boate pagou viagem de prefeito, diz PF

Por Rubens Valente, na Folha:A Operação Santa Tereza da Polícia Federal apreendeu papéis que indicam o pagamento de passagens aéreas e estadia num hotel no Rio para o prefeito de Praia Grande (SP), Alberto Mourão (PSDB), pela casa de prostituição paulistana W.E.O “dono de fato” da boate, segundo a PF, era o empreiteiro Manuel Fernandes […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 5 jun 2024, 20h54 - Publicado em 20 Maio 2008, 06h35
Por Rubens Valente, na Folha:
A Operação Santa Tereza da Polícia Federal apreendeu papéis que indicam o pagamento de passagens aéreas e estadia num hotel no Rio para o prefeito de Praia Grande (SP), Alberto Mourão (PSDB), pela casa de prostituição paulistana W.E.
O “dono de fato” da boate, segundo a PF, era o empreiteiro Manuel Fernandes de Bastos Filho, que executava obras previstas num empréstimo de R$ 124 milhões concedido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social à Prefeitura de Praia Grande.
Para a PF, Bastos Filho montou um esquema de notas frias para desviar recursos do empréstimo e do caixa da prefeitura: o dinheiro era depositado no caixa da boate e redistribuído a outros envolvidos por meio de cheques e saques em dinheiro.
Uma folha manuscrita com uma relação de pagamentos, apreendida pela PF na sede da boate, traz o nome de Mourão, de seu secretário de Obras, Luiz Fernando Lopes, do assessor de gabinete do prefeito, Jamil Issa Filho, e do consultor da Força Sindical João Pedro de Moura como beneficiários de R$ 342 cada um. Segundo a PF, são passagens aéreas ao Rio. Abaixo dos nomes vem a anotação de que a boate pagou R$ 1.732,50 pelas diárias em três suítes do hotel Othon no Rio.
Num papel intitulado “movimento do caixa” consta o pagamento de passagens de São Paulo a Brasília para João Pedro de Moura no valor de R$ 658, e de outras duas passagens para “Luiz Fernando” no trecho São Paulo-Rio. Nos dois papéis a boate anotou pagamentos a garotas de programa que oscilavam de R$ 150 a R$ 600.
A parte do inquérito que trata do prefeito foi relatada pelo delegado Rodrigo Levin e enviada ao TRF da 3ª Região pela procuradora Adriana Scordamaglia. O processo está nas mãos do desembargador Fábio Prieto, que decidirá se abrirá ou não um processo específico.
Assinante lê mais aqui

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.