Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

REPORTAGEM DE VEJA: “Lua”, essa era a senha da propina destinada a Renan

Revista teve acesso ao depoimento do empresário e advogado Felipe Rocha Parente; ele conta como fazia a propina chegar ao agora presidente do Senado e a Jáder Barbalho

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h30 - Publicado em 22 out 2016, 07h25

Quem sabe ler entendeu a natureza da crítica que fiz à operação no Senado; quem não sabe sairá falando cretinismos por aí, fazer o quê? Era possível investigar respeitando a lei. Preferiram não respeitar. Então critico. Ah, será que, com isso, estou aqui a dizer que lá está uma Casa santa, presidida por um ser impoluto? Santo Deus! Há quanto tempo pergunto aqui por que Rodrigo Janot ainda não ofereceu denúncia contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL)? Este começou a ser investigado pela Lava Jato antes de Eduardo Cunha. Esse já está preso. Reportagem da VEJA que acaba de chegar às bancas torna a situação de Renan ainda pior.

A revista teve acesso ao depoimento sigiloso do empresário e advogado Felipe Rocha Parente, prestado à Procuradoria-Geral da República. Ele se apresentou como o entregador de propinas oriundas da Transpetro a peemedebistas. E se comprometeu a dar a sua lista de clientes. Segundo a sua confissão, o mais graúdo era mesmo Renan. A subsidiária da Petrobras era presidida por Sérgio Machado, que já fez sua delação. Segundo a apuração do Ministério Público, em dez anos, saíram de lá mais de R$ 100 milhões em propinas — o atual presidente do Senado teria ficado com R$ 32 milhões.

Parente diz que começou a sua vida de entregador de roubalheira em 2004, a convite de Machado. A sua primeira operação foi com a construtora Queiroz Galvão. Ele se encontrou com o dono da empresa, Ildefonso Colares, e disse a senha: “Lua”. Eis que se materializaram à sua frente R$ 250 mil. E assim se deu ao longo dos anos.

Segundo Parente, quando ele entregava propina destinada a Renan, quem aparecia para receber era Iara Jonas, antiga funcionária do Senado, que também fazia tal serviço para outro senador, Jáder Barbalho (PMDB-PA), em cujo gabinete estava lotada. Parente diz também ter-se reunido com Ricardo Pessoa, da UTC, com quem acertou pagamento de R$ 1 milhão em quatro parcelas. Sim, Renan e Jáder teriam ficado com parte dessa grana. Os senadores negam tudo.

Voltemos ao ponto
Se o que vai acima for verdade, eis um caso de banditismo. Que se apure, que se julgue e que se puna. Renan ou qualquer outro. Ainda que seja tudo verdade e ainda que ele tivesse amealhado dez vezes mais dinheiro do que se investiga, eu censuraria o espetáculo de truculência a que se assistiu no Senado.

Que se condenem os culpados. E que se preservem as instituições.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês