Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Quando setores da imprensa decidem ser estúpidos, não há políticos que os superem: são imbatíveis! Ou: A pergunta intelectualmente delinquente sobre rompimento de contratos. Ou: Eles têm inveja da Mídia Ninja

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, fez a coisa certa e anunciou que vai processar a Siemens pela, até onde se sabe, confissão de que participou de cartel. Trata-se de uma posição correta e corajosa, própria, aliás — ou se poderá dizer o contrário? —, de quem não tem nada a temer. A decisão […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 05h37 - Publicado em 14 ago 2013, 03h33

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, fez a coisa certa e anunciou que vai processar a Siemens pela, até onde se sabe, confissão de que participou de cartel. Trata-se de uma posição correta e corajosa, própria, aliás — ou se poderá dizer o contrário? —, de quem não tem nada a temer. A decisão tomou a imprensa filopetista de surpresa. Como certos setores do jornalismo concorrem, no momento, com a Mídia Ninja — tentando ser intelectualmente ainda mais delinquente —, surgiu uma questão que só poderia ter sido parida pela cabeça de um energúmeno petralha: “Mas o governador vai romper os contratos em andamento com a Siemens?”.

Não fosse uma questão ditada pela má-fé, seria uma pergunta asinina. Como é que se romperiam contratos outros, sobre os quais não há suspeita de irregularidades? Curioso: vocês ouviram alguém perguntar para Dilma Rousseff se ela iria romper contratos com a Delta, por exemplo?

ATENÇÃO! Mesmo quando se processa uma prestadora de serviço, uma fornecedora ou uma empreiteira contratadas por irregularidades no serviço, na mercadoria ou na obra, isso não implica necessariamente o rompimento de contrato. O que o governador alegaria? Com que base legal? A má-fé consiste em tentar ler a decisão como se fosse coisa de fachada, de brincadeirinha. Trata-se de um esforço para plantar na cabeça do telespectador, do leitor ou do internauta, que não são especialistas em leis, a suspeição: “Ah, se fosse coisa séria, ele romperia…”.

Romper um contrato supõe multas milionárias, interrupção de serviços essenciais, atraso em obras. E tudo por quê? As investigações do Cade, que se saiba, se concentram no período 1998-2008 — e não se restringem, ou não deveriam se restringir, a São Paulo.

Não largar o osso
Sabem o que é isso? Disposição de não largar um osso que já não está dando mais caldo. Afinal, o que é que se pretende noticiar? “A Siemens e o governo atuaram em conluio.” Se o governador decide processar a empresa, o suposto conluio se desfaz e, como diria Capilé, os concorrentes do Mídia Ninja “entram numa crise narrativa”. Então cumpre levantar uma questão asnal — “vai romper o contrato?” — para ver se o assunto rende mais um pouco.

Continua após a publicidade

O nome disso? Prestação de serviço ao PT. O gênio que teve a ideia de lançar a questão deveria antes consultar a legislação vigente. Mas é claro que isso é coisa de antigamente, quando jornalista nem era ninja nem era militante de partido disfarçado de repórter.

De resto, há setores da imprensa que, patrulhados pelo PT e acusados de tucanos, fazem de tudo para provar a seus maus juízes que isso não é verdade. E, quanto mais provam (e, portanto, se ajoelham), mais lhes é pedido. Com o tempo, os joelhos vão adquirindo uma casca, a coluna vai se adaptando, e a etapa seguinte, que é ficar de quatro, já não parece ser assim algo tão humilhante.

Não! Alckmin não vai romper os contratos. Não vai porque seria ilegal. Mas vai processar a Siemens pelos crimes que, tudo indica, a empresa confessou.

A imprensa costuma ser bastante dura com os políticos, no que faz bem. Boa parte deles é mesmo de amargar. Mas, quando setores da imprensa decidem ser estúpidos, não encontram concorrentes. Uma pergunta que deveria envergonhar o autor acaba pautando outros de inteligência semelhante e idêntica má-fé.

Texto publicado originalmente às 21h50 desta terça
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.