Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

PT já começa o trabalho “joga pedra no Skaf”

Que aliado o quê! O PT já avança contra Paulo Skaf, do PMDB, que aparece em segundo lugar na disputa pelo governo do Estado, na faixa dos 20% — o tucano Geraldo Alckmin transita na dos 40%. O petista, por enquanto, a depender do cenário, chega a um máximo de 4%. Os companheiros já estão […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 03h39 - Publicado em 17 jun 2014, 22h38

Que aliado o quê! O PT já avança contra Paulo Skaf, do PMDB, que aparece em segundo lugar na disputa pelo governo do Estado, na faixa dos 20% — o tucano Geraldo Alckmin transita na dos 40%. O petista, por enquanto, a depender do cenário, chega a um máximo de 4%. Os companheiros já estão inquietos. Pretendem repetir a estratégia da disputa pela Prefeitura em 2012: Fernando Haddad não emplacava de jeito nenhum, e tudo caminhava para uma disputa entre José Serra (PSDB) e Celso Russomanno, do PRB, partido que integra a base governista.

Não teve jeito: o PT avançou pra cima de Russomanno e pôs em ação a máquina de desqualificação. Fez picadinho do candidato — e contou, para tanto, com a ajuda de amplos setores da imprensa, é bom que fique claro. A equação continua simples: para que tenha a chance de governar São Paulo, o PT precisa disputar o segundo turno. Para tanto, tem de passar por Skaf.

E a campanha de desqualificação já começou, ainda leve. A equipe do petista acusa a do peemedebista de ter roubado seu slogan. Skaf promete “Uma mudança de verdade”. E Padilha diz que vem “para mudar de verdade”. De fato, as palavras são praticamente as mesmas, e o alvo de cada um deles é outro, que não representaria a real mudança.

Essa briga pode esquentar? É claro que sim! Só que os petistas contam com uma dificuldade adicional. O PMDB não é o PRB. Skaf é o candidato de Michel Temer, vice na chapa de Dilma. Os golpes abaixo da linha da cintura podem repercutir na campanha presidencial.

A assessoria do PT planta ainda por aí que o candidato do PMDB aproveita o fato de Padilha ser menos conhecido para copiar seu discurso. Não deixa de ser um argumento curioso. Por que alguém que tem 20% copiaria quem tem 4%? Paixão? O “joga pedra no Skaf já começou”. Não resta alternativa ao PT.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.