Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

PSDB quer que Fazenda apure presença de petista em investigação contra o partido e que foi vazada para a imprensa

Na Folha. Volto depois:A direção nacional do PSDB pede uma apuração rigorosa do governo Lula sobre a informação, divulgada pela revista “Época” desta semana, de que um dos auditores da Receita Federal que trabalhou na fiscalização de contas de campanha do PSDB é filiado ao PT. Segundo a revista, ele teria vazado informações sigilosas da […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h40 - Publicado em 7 abr 2008, 06h03

Na Folha. Volto depois:
A direção nacional do PSDB pede uma apuração rigorosa do governo Lula sobre a informação, divulgada pela revista “Época” desta semana, de que um dos auditores da Receita Federal que trabalhou na fiscalização de contas de campanha do PSDB é filiado ao PT. Segundo a revista, ele teria vazado informações sigilosas da campanha de 2002 do então candidato à Presidência José Serra.
A Receita confirma que o auditor Júlio Severino Bajerski trabalhou na fiscalização das contas do PSDB. Ele concorreu ao cargo de vereador em Santo Angelo (RS) em 2004. Bajerski teve 169 votos e não se elegeu.
No site do PSDB, o deputado federal Rodrigo de Castro (MG), secretário-geral da sigla, qualificou a denúncia de “gravíssima” e disse que o partido irá recorrer a todas as instâncias judiciais para obter explicações do Ministério da Fazenda. “Vamos reagir de forma enérgica e mobilizar o Congresso Nacional, pois esse caso, se confirmado, é um verdadeiro atentado contra a democracia.”
O líder do PSDB na Câmara, José Aníbal, também na página do partido, afirmou que “o PT parece não ter pudor nenhum”.
A Receita divulgou nota anteontem informando que a corregedoria do órgão e a Fazenda estão investigando o vazamento de informações.
Assinante lê mais aqui

Comento

Eis aí. Estamos diante de mais um caso típico, não é? Reproduzo abaixo dois posts que escrevi a respeito: um no dia 27 de março e outro no dia 19 de fevereiro. Proféticos? Não! Só lógicos.

No dia 27:
Este governo é bom de fabricar dossiês e, sobretudo, de vazar informações. Vocês se lembram que a Receita Federal autuou o PSDB e lhe aplicou uma multa em razão de supostas notas fiscais frias encontradas na prestação de contas da campanha presidencial de 2002? Sabem quantos partidos foram punidos? NOVE!!! Mas foi vazado o valor da multa apenas do PSDB. As outras permanecem, claro, em sigilo.

No dia 19 de fevereiro, lia-se aqui o seguinte:Eu, hein!!! Às 19h29 de ontem, ao comentar o resultado da pesquisa CNT-Sensus, afirmei que o governador José Serra, apontado como favorito no pleito de 2010, teria de pôr “as barbas de molho”. E concluí dizendo que “os tontons-maCUTs do petralhismo” tentariam arrastá-lo para “aquele elemento em que ‘eles’ nadam como peixe: a lama.” Demorou bem pouco, não é? Título de uma reportagem da Folha: “Receita detecta notas frias na campanha de Serra em 2002”. Sim, é aquela ainda da primeira eleição de Lula. Escreve Leonardo Souza:“A Receita Federal detectou notas fiscais frias emitidas por uma empresa fantasma e por outra inidônea para o PSDB e a campanha à Presidência da República em 2002 do tucano José Serra, no valor de R$ 476 mil, segundo a Delegacia da Receita Federal de Brasília, que suspendeu a imunidade tributária do partido e o autuou em aproximadamente R$ 7 milhões.A Folha obteve documentos sigilosos da auditoria nas contas tucanas e do auto de infração. A empresa inidônea é a Marka Serviços de Engenharia, que estava desativada desde janeiro de 1996 e pertence a Márcio Fortes, secretário-geral do PSDB (1999 a 2003) quando as notas foram emitidas.”Os “documentos sigilosos” obtidos não foram “vazados” pelo PSDB, certo? Logo, saíram da Receita.Segundo os advogados de defesa do PSDB, “a Receita reconheceu haver fortes indícios de que os serviços foram prestados, admitiu que os pagamentos à empresa foram feitos pelo PSDB, mas não reconheceu a idoneidade para a emissão de notas nem a legalidade do depósito de um dos cheques emitidos pelo partido na conta de uma funcionária. No recurso à Delegacia de Julgamento da Receita de Brasília, contra a suspensão da imunidade tributária, os advogados da sigla argumentam que não há ilegalidade em uma empresa baixada emitir notas”.Informa ainda a Folha:”O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), o secretário de Organização do partido, Eduardo Jorge, e o ex-secretário-geral da legenda Márcio Fortes afirmaram que não houve irregularidade na campanha de 2002 e insinuaram que o PT está por trás do vazamento de informações da auditoria realizada pela Receita Federal nas contas do PSDB. Eduardo Jorge afirmou “não ter dúvidas” de que se trata de uma tática do PT para desviar o foco do escândalo dos cartões corporativos do governo. “Quer dizer que o PT está tentando mudar o PSDB na CPI dos cartões vazando o relatório da Receita?”, afirmou. Os três declararam que as explicações já foram dadas pelo PSDB ao fisco e que não há irregularidade cometida pelo partido. Eduardo Jorge disse que o relatório dos auditores contém “afirmações mentirosas” e que “a Receita sabe disso”.É… A coisa vai ficar feia pros tucanos. (…). O que não pode escapar a ninguém é o timing do vazamento, né? E aquele que é também o principal alvo da acusação. É assim que se passou a fazer política no país. “Ah, lá vai você defender o PSDB!” Será? Leiam o que informa a Folha: “Em setembro de 2005, a Receita Federal emitiu a Nota Cofis/GAB nº 00152/2005, pela qual constituiu uma equipe especial de fiscalização para auditar as contas dos nove partidos mais importantes do país, entre os quais PT, PSDB, DEM (ex-PFL), PMDB, PTB, PR (ex-PL) e PP. O principal objetivo do fisco é comprovar a prática de caixa dois. (…).”O fisco incluiu na lista outras três legendas envolvidas no mensalão: PTB, PP e PL. Acrescentou também PSDB e PFL. Dos nove partidos analisados, sete tiveram sua imunidade fiscal suspensa: PT, PSDB, DEM, PMDB, PP, PR e PTB. O valor da autuação é guardado em sigilo, mas, em relação aos envolvidos no mensalão, ele pode chegar a R$ 60 milhões quando se faz a conta com os R$ 55,8 milhões que Marcos Valério confessou ter repassado a siglas da base em troca de apoio.Viram o que vai ali em vermelho? “O valor da autuação é guardado em sigilo”. É mesmo??? Menos a do PSDB?

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.