Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Proposta de controlar a mídia é da área de Dulci

Há tempos quem lida com as idéias políticas sabe que o ministro Luiz Dulci é mais do que um homem manso, caroável, mineiro, que despacha discretamente no Palácio do Planalto. Ele encarna, no governo, a figura do intelectual gramsciano — não confundir com “intelectual” simplesmente. Se há alguém empenhado na construção do partido como Moderno […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 23h16 - Publicado em 1 set 2006, 05h31
Há tempos quem lida com as idéias políticas sabe que o ministro Luiz Dulci é mais do que um homem manso, caroável, mineiro, que despacha discretamente no Palácio do Planalto. Ele encarna, no governo, a figura do intelectual gramsciano — não confundir com “intelectual” simplesmente. Se há alguém empenhado na construção do partido como Moderno Príncipe, é ele. Já escrevi isso umas duzentas vezes. Por Paulo Moreira Leite no Estadão desta sexta: “O DNA do documento da campanha de Lula que propõe medidas de pressão sobre a mídia a pretexto de ‘democratizar’ os meios de comunicação aponta para o gabinete de Luiz Dulci, ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República. Ali despacha o jornalista Fabio Koleski, autor do texto intitulado Comunicação e Democracia. Koleski é um dos principais assessores de Dulci, ministro que é o único sobrevivente do chamado ‘núcleo duro’. Ele conta modestamente que ‘sistematizou’ sugestões de dezenas de militantes do partido, que podem ou não a ser incluídas no programa de governo. O texto sugere, por exemplo, a criação de ‘assembléias populares’ para a revisão de concessões de rádio e TV; a formação de uma Secretaria de Democratização da Comunicação no Planalto; a distribuição de incentivos oficiais para jornais independentes. São idéias particularmente preocupantes quando se considera que foram alinhavadas por um funcionário do Planalto, com responsabilidades oficiais – e não por um militante de fim de semana.Clique aqui para ler mais
Publicidade