Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Polícia apreende fuzil em ação que culminou em morte de cinegrafista da Band

Na VEJA Online: Um fuzil AR 15, três pistolas, um quilo de maconha, 100 papelotes de cocaína e 522 pedras de crack foram algumas das apreensões feitas pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) em operação realizada na Favela de Antares, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, na manhã deste domingo. […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 10h15 - Publicado em 6 nov 2011, 19h51

Traficantes são presos durante operação policial do Bope com o Batalhão de Choque, na favela de Antares, no Rio de Janeiro (Jadson Marques/AE)

Traficantes são presos durante operação policial do Bope com o Batalhão de Choque, na favela de Antares, no Rio de Janeiro (Jadson Marques/AE)

Na VEJA Online:
Um fuzil AR 15, três pistolas, um quilo de maconha, 100 papelotes de cocaína e 522 pedras de crack foram algumas das apreensões feitas pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) em operação realizada na Favela de Antares, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, na manhã deste domingo. O cinegrafista da Band Gelson Domingos da Silva, que acompanhava a ação, morreu baleado com um tiro de fuzil no confronto entre traficantes e policiais.

Segundo informações da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, o objetivo da ação era checar informações da área de Inteligência do Bope e do Choque de que líderes do tráfico, armados, se reuniam no local. O site oficial da corporação informa que oito criminosos foram presos, dentre eles o “gerente” do tráfico local, conhecido como BBC, e seu braço-direito China. No confronto com policiais militares, quatro bandidos foram mortos.

Cabo era o alvo
O cabo Gomes, do Bope, que participou da ação, disse que ele era o alvo do tiro que matou o cinegrafista da TV Bandeirantes Gelson Domingos. “O tiro que pegou o Gelson era para mim”, disse, muito abalado.

O tiroteio começou cedo, por volta das 6h, quando oito policiais, acompanhados de jornalistas, foram recebidos a tiros. Em determinado momento o grupo se separou. A maioria ficou protegida por um muro. O cabo Gomes atravessou a rua e foi seguido por Gelson, protegidos por uma árvore. Os traficantes dispararam dois tiros de fuzil. O primeiro acertou a árvore e o segundo, o cinegrafista.

Continua após a publicidade

Segundo testemunhas, o atendimento a Gelson demorou cerca de 20 minutos, já que o tiroteio continuou com intensidade mesmo depois de o cinegrafista ter sido socorrido. Além de Gelson, morreram outras quatro pessoas que, segundo a polícia, eram traficantes. A Polícia Civil quer analisar as filmagens de Gelson para ver se o grupo de quatro pessoas que ele filmara e que posteriormente fez os disparos é o mesmo que foi morto em seguida.

Nota de pesar
Em nota, o Grupo Bandeirantes lamentou a morte do cinegrafista. Segundo a empresa, Gelson usava um modelo de colete à prova de balas permitido pelas Forças Armadas em situações como essa. O cinegrafista foi atingido por um tiro de fuzil, provavelmente disparado por um traficante, chegou a ser socorrido e levado para a Unidade de Pronto Atendimento da região, mas não resistiu. Confira abaixo o comunicado na íntegra:

“O Grupo Bandeirantes lamenta a morte do seu funcionário Gelson Domingos, de 46 anos, na manhã deste domingo. O repórter cinematográfico foi atingido no peito em pleno exercício da sua profissão na cobertura de uma operação da polícia na favela de Antares, em Santa Cruz, na zona oeste do Rio. Ele chegou a ser socorrido e levado para a Unidade de Pronto Atendimento da região, mas não resistiu.

O funcionário estava de colete à prova de balas – modelo permitido pelas Forças Armadas, sempre usados por profissionais da Band em situações como esta. Ele foi atingido por um tiro de fuzil, provavelmente disparado por um traficante.

Gelson Domingos deixa 3 filhos, 2 netos e esposa. Repórter cinematográfico da TV Bandeirantes, ele já trabalhou em outras emissoras como SBT e Record e sempre foi reconhecido pela experiência e cautela no trabalho que exercia.

O Grupo Bandeirantes se solidariza com a família e está prestando toda a assistência.”

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês