Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Perigosa fantasia

Escrevi ontem contra a proposta de uma Constituinte exclusiva para fazer a reforma política. A Folha publica hoje um bom editorial sobre o mesmo tema. * Diante de tantos escândalos protagonizados por políticos e de tamanhas evidências do descompasso entre a sociedade e o sistema que a representa, compreende-se o desejo de uma Constituinte exclusiva […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 14h24 - Publicado em 29 ago 2010, 08h27

Escrevi ontem contra a proposta de uma Constituinte exclusiva para fazer a reforma política. A Folha publica hoje um bom editorial sobre o mesmo tema.
*
Diante de tantos escândalos protagonizados por políticos e de tamanhas evidências do descompasso entre a sociedade e o sistema que a representa, compreende-se o desejo de uma Constituinte exclusiva ou de um Congresso revisor destinado a promover uma reforma política. Mas a ideia é ingênua, impraticável e, na presente conjuntura eleitoral, perigosa.

Ela parte do pressuposto de que um corpo legislativo eleito apenas para formular a reforma política seria diferente de qualquer Congresso habitual. Nada menos crível: os constituintes seriam eleitos pelos mesmos partidos e regras, e provavelmente seriam, na maioria, os mesmos parlamentares de hoje ou amanhã. É fantasia eleger uma assembléia de anjos, imunes aos vícios do sistema atual.

Mais grave do que isso, a proposta é inconstitucional. Para que deixasse de sê-lo, seria necessário que fosse autorizada, por plebiscito, a convocação de tal corpo legislativo, e que a reforma por ele produzida viesse a ser chancelada em novo referendo popular. É de imaginar o tumulto que esse esdrúxulo processo acarretaria à vida institucional.

Seu início dependeria de autorização dos congressistas a serem eleitos em outubro próximo. Estes dificilmente veriam com simpatia a instalação de um Congresso paralelo, que esvaziaria seu poder e ameaçaria seus privilégios. Para que nele pudessem ingressar, teriam de enfrentar nova eleição, algo sempre custoso e arriscado.

Como se não bastasse, a proposta se revela perigosa no atual período político. Tudo indica que o bloco instalado no poder federal alcançará vitória esmagadora nas eleições gerais que se aproximam.

A se confirmarem esses prognósticos, a Presidência da República exercerá virtual controle sobre o Congresso e aumentará ainda mais sua influência sobre as demais instituições. Esquemas de incrustação partidária e sindical, que aparelham o Estado há oito anos, receberão novo estímulo. A oposição será dizimada, e o espaço de divergência e crítica tenderá a se estreitar.

Nessas circunstâncias, bastaria um passo temerário para que a ingenuidade da proposta de uma Constituinte exclusiva fosse convertida em perfídia, numa aventura em que o Executivo todo-poderoso se arrogasse a refazer o desenho constitucional do país para submetê-lo a seus desígnios.

Felizmente, esse não é um cenário provável. O Brasil é uma sociedade complexa e diversificada, e suas instituições democráticas parecem consolidadas o bastante para rechaçar com toda veemência um novo ciclo de autoritarismo, mesmo que dissimulado sob o manto de maiorias eleitorais.

Quanto à reforma política, em vez de soluções súbitas ou mágicas, a melhor forma de realizá-la é estimular a contínua vigilância pública, exigir o fim da impunidade e pressionar por mudanças progressivas. Trata-se menos de melhorar leis, do que de melhorar toda uma cultura.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês