Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Oposição e governo se enfrentam em evento da Força Sindical; Aécio foi aplaudido, e Dilma, vaiada

Governo e oposição se encontraram e se estranharam no evento em homenagem ao Dia do Trabalho, promovido pela Força Sindical, na praça Campos de Bagatelle, em São Paulo. Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República, discursou. Classificou de “patético” o discurso que Dilma fez na TV nesta quinta, disse que ela está distante […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h57 - Publicado em 1 Maio 2014, 16h00

Governo e oposição se encontraram e se estranharam no evento em homenagem ao Dia do Trabalho, promovido pela Força Sindical, na praça Campos de Bagatelle, em São Paulo. Aécio Neves, candidato do PSDB à Presidência da República, discursou. Classificou de “patético” o discurso que Dilma fez na TV nesta quinta, disse que ela está distante dos trabalhadores e não podia comparecer a um evento como aquele, tendo de “ficar trancada”. Sustentou ainda ser preciso fazer “o resgate da Petrobras das garras daqueles que fazem negócios em interesse próprio”.

Coube ao deputado Paulinho da Força, presidente do partido Solidariedade, que está na oposição, fazer o discurso mais duro contra Dilma. Numa alusão aos mensaleiros, mandou ver: “O governo que deveria dar o exemplo está atolado na corrupção. Se fizer o que a presidente Dilma falou ontem, quem vai parar na Papuda é ela”. Tanto Aécio como Paulinho foram muito aplaudidos ao sentar a pua na gestão petista.

Mas lá também estavam defensores do governo Dilma, como o ministro Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, e o ministro do Trabalho, Manoel Dias, que é do PDT, partido a que Paulinho pertencia e do qual se desligou para fundar o Solidariedade.

Carvalho rebateu a crítica de Aécio e afirmou que o governo elevou o salário mínimo em 70% — ele se refere, claro, aos 11 anos de gestão petista, não apenas ao período Dilma. Disse ainda que a presidente não vem a São Paulo apenas a cada quatro anos, quando há campanha e repetiu a mentira de que os tucanos tentaram privatizar a Petrobras. Foi mais longe: “Vocês sabem quem criou o fator previdenciário? Foi Fernando Henrique Cardoso. Agora eles [tucanos] querem voltar com o senador Aécio Neves. Vêm com promessas para vocês para um governo que eles não terão”. Foi sonoramente vaiado.

Dias, o ministro, criticou o discurso de Paulinho, que considerou agressivo demais com a presidente. Mais vaias.

Alguns poderão dizer que, no fim das contas, essa solenidade de Primeiro de Maio acabou sendo política. Ora, claro que sim! Mas nada que se compare ao pronunciamento indigno da presidente Dilma, nesta quarta, em rede nacional de rádio e TV. Usou o aparelho de estado para fazer campanha eleitoral.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês