Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O troglodita Jean Wyllys, o inquisidor nada santo, quebra a cara em CPI dos Crimes Cibernéticos

Representante do MBL expõe sua hipocrisia e suas declarações criminosas, que ele pretende protegidas pela imunidade parlamentar

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 26 out 2015, 16h37

O deputado Jean Wyllys (RJ), do PSOL, é autoritário, ignorante e truculento. Como o cidadão Jean Wyllys é gay, o deputado Jean Wyllys acredita que pode posar de vítima para sair por aí intimidando as pessoas. Acha que ainda está no Big Brother: saiu do armário em rede nacional, choramingou, levou R$ 500 mil e virou deputado.

Este senhor apresentou um requerimento pedindo para ouvir um representante do MBL na CPI dos Crimes Cibernéticos. Rubens Nunes, como se verá no vídeo abaixo, estava lá como “convidado”, não como testemunha ou como acusado do que quer que fosse.

O jovem representante do MBL humilhou o militante político hipócrita Jean Wyllys, que tem a cara de pau de ser a estrela de um programa na Internet chamado “Conexão Havana” — Havana, como se sabe, é a capital de Cuba, onde gays, como Jean Wyllys, são encarcerados apenas por serem… gays!

O deputado tenta, desde o princípio, intimidar Nunes, numa evidência clara de que persegue o MBL por sua posição em favor do impeachment de Dilma. Vejam o vídeo:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=WlrsdrqPuBM?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Se a CPI é de crimes cibernéticos, nada, então, como expor o que o próprio Jean Wyllys andou postando nas redes sociais. E Nunes leu para a comissão declarações de Wyllys, o respeitoso:

Sobre o papa Bento 16:
“Espero que os estados laicos do Ocidente não cedam à pressão desse genocida em potencial; respeitem suas constituições e os direitos humanos”.

Continua após a publicidade

Sobre religiões cristãs:
“No Brasil, ao fundamentalismo neopentecostal, soma-se a aterrorizante direita católica, fanática e dada a campanhas difamatórias sujas”.

Sobre alguém que o contestou:
“Um negro gordo se opondo a um projeto antidiscriminação de minorias é mais do que burrice, é o fim do mundo”.

Sabem o que Wyllys, todo nervosinho, respondeu? Exigiu que o presidente da mesa calasse o convidado: “Cobre dele que não entre em ilações acerca de declarações protegidas pela imunidade parlamentar e pela minha atuação política”.

Este senhor acha que sua “imunidade parlamentar” e que sua “atuação política” lhe dão o direito de chamar um papa de “genocida”, de vituperar contra religiões sem nem dizer o motivo e de combater uma opinião diferente da sua chamando seu autor de “negro gordo”.

Pior: Wyllys tentou sair em defesa de correligionários seus acusados de irregularidades. Como perdeu nos argumentos, levantou e foi embora.

A atuação deste senhor é um vergonha. Hoje, empresas estatais financiam os chamados blogs sujos, que existem para defender o governo, atacar as oposições, o Poder Judiciário e a imprensa independente. E o senhor Wyllys pretendem se colocar como inquisidor do… MBL.

Nunes lhe deu uma lição de clareza e coerência.

PS – Mais uma coisa: “você” uma ova, senhor Wyllys. Um convidado da CPI é “senhor” ou “Vossa Senhoria”. Ou Vossa Excelência, que se diz contra a discriminação de gays (não em Cuba, claro!), acredita que se deva desrespeitar o tratamento adequado a um convidado por porque ele é jovem ou porque não partilha de suas taras autoritárias?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)