Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

O marqueteiro exemplar – Obama fala num tal “Momento Sputnik”

Por Gustavo Chacra, no Estadão: Considerando este um “momento Sputnik” para a atual geração de americanos, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que investirá em pesquisas que criarão empregos, garantirão a segurança do país e protegerão o planeta, segundo trechos de seu Discurso do Estado da União, que seria feito na noite de ontem […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 13h03 - Publicado em 26 jan 2011, 04h25

Por Gustavo Chacra, no Estadão:
Considerando este um “momento Sputnik” para a atual geração de americanos, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que investirá em pesquisas que criarão empregos, garantirão a segurança do país e protegerão o planeta, segundo trechos de seu Discurso do Estado da União, que seria feito na noite de ontem (madrugada no Brasil). Obama pediria ainda o congelamento por cinco anos de gastos adicionais, além de um corte de US$ 78 bilhões no orçamento do Pentágono. Calcula-se que as medidas economizariam mais de US$ 400 bilhões até 2015. O aperto nos cintos busca aplacar a dura oposição dos republicanos, que agora têm maioria na Câmara.

“Meio século atrás, quando os soviéticos nos derrotaram na corrida especial ao lançar um satélite chamado Sputnik, nós não tínhamos ideia de como os superaríamos para chegar à lua. Não tínhamos a ciência (para este objetivo). A NASA nem sequer existia. Mas, após investir em mais pesquisa e educação, nós não apenas superamos os soviéticos, como também lançamos uma onda de inovação que criou indústrias e milhões de empregos. Este é o momento Sputnik da nossa geração”, diria o presidente, de acordo com parte do discurso divulgado horas antes pela Casa Branca.

“Dois anos atrás, disse que necessitávamos alcançar um nível de pesquisa e desenvolvimento que não víamos desde a corrida espacial. Nas próximas semanas enviarei ao Congresso um orçamento que nos ajudará a alcançar esse objetivo”, diria Obama. A competição desta vez, segundo o presidente, será contra indianos e chineses, que “passaram a educar suas crianças com ênfase em matemática e ciência e investindo em pesquisas e novas tecnologias”.

Para não ficar para trás, o presidente afirmou ser necessária uma aliança com a oposição para adotar uma estratégia de três pontos – encorajar a inovação, incluindo o desenvolvimento de energias alternativas; melhorar a educação das crianças americanas; e a reconstrução da infraestrutura do país. Diferentemente de quando tomou posse e também do ano passado, Obama terá pela frente um líder do Congresso da oposição, John Boehner, que prometeu fazer de tudo para impedir que o presidente se reeleja.

Buscando dar um recado positivo para o setor privado, Obama diria, segundo a Casa Branca, que “dois anos depois da mais grave recessão que a maioria de nós conheceu, as Bolsas de Valores começam a subir. Os lucros das corporações aumentaram. E a economia voltou a crescer”. Ao mesmo tempo, o presidente admitiria o problema da taxa de desemprego, atualmente em 9,4%.

“Medimos progresso pelo sucesso das pessoas. Pelos empregos que conseguem encontrar e pela qualidade de vida que esses trabalhos oferecem. Pelas perspectivas do dono dos pequenos negócios que sonha em transformar sua empresa em uma grande corporação. Este é o projeto que o povo americano quer que trabalhemos conjuntamente”, afirmaria o presidente, à oposição republicana. Aqui

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)