Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

O Brasil derrete e é sugado pelo ralo da crise econômica, da crise política e da crise de confiança. Tchau, Dilma!

Atacando seus críticos, em janeiro de 2013, Dilma disse isto em rede nacional de rádio e TV: “Por termos vencido o pessimismo e os pessimistas, estamos vivendo um dos melhores momentos da nossa história”

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 23h58 - Publicado em 2 dez 2015, 07h49

O Brasil vive um momento muito delicado. Ou melhor: vive um período muito delicado. Os números desoladores da economia no terceiro trimestre — com encolhimento de 1,7% em relação ao segundo e 4,5% no acumulado de 12 meses — forçaram os economistas e os analistas a ver o mundo como ele é. A economia brasileira deve encolher quase 4% neste ano — boa parte aposta em 3,8% —, e já se fala de uma recessão de 3,5% no ano que vem.

E, no entanto, vejam lá a pantomima a que se assiste em Brasília; vejam a que está reduzido o futuro do país. A máquina governista é mobilizada para conseguir três votinhos do PT no Conselho de Ética com o objetivo de que Eduardo Cunha arquive a denúncia contra a presidente.

A crise tem muitos fatores, claro!, mas tem um nome: Dilma Rousseff. Um presidente da Câmara que não estivesse empenhando, hoje, primeiro em livrar a própria pele para só depois cuidar dos interesses do Brasil já teria acolhido a denúncia, deixando para o Congresso — num primeiro momento, a própria Câmara e, a depender da votação nesta, num segundo, o Senado — a tarefa de decidir o futuro do país. Mas não! Cunha opera com a mais reles reciprocidade: se o PT, por intermédio de seus três votos no Conselho de Ética, não ameaçar o seu mandato, então ele não ameaça o de Dilma.

Entendam: vivemos sob a égide dessa troca mesquinha enquanto a economia do país vai para o ralo, sugada, sim, por todos os erros e mistificações desses 13 anos de petismo, mas também por uma crise de confiança como raramente se viu — ou como não se viu. A condução política do governo consegue fazer inveja aos neófitos trogloditas da era Collor.

Notem: não vai surgir uma estrela no céu indicando um caminho. Nenhuma força superior vai se manifestar lá nas alturas para nos dar a resposta. Não existe nenhum grande desajuste na economia internacional, prestes a se corrigir, que vai, então, nos abrir uma janela. Ao contrário até: o cenário é de relativa estabilidade. A economia mundial vai razoavelmente bem; quem está mal é o Brasil.

Já se escreveu o bastante como chegamos aqui. Conhecemos, os que acompanhamos o noticiário no detalhe, todas as advertências que foram feitas, alertando para a determinação com que o PT empurrava a economia para o abismo — e os fatores já estavam dados nos anos ditos gloriosos de Lula. Na primeira fase de Dilma, às imprudências do segundo mandato do Babalorixá de Banânia, somaram-se uma notável arrogância e certo messianismo visionário daquela que se queria a continuadora de um novo modelo econômico.

Atenção, meus caros! Há exatos três anos, em dezembro de 2012, o Instituto Lula e a Fundação Jean-Jaurès, em Paris, realizaram na capital francesa o “Fórum pelo Progresso Social – O Crescimento como Saída para a Crise”. Dilma e o ex-presidente discursaram. Deram pito no mundo, com especial recado para a Alemanha de Angela Merkel.

Continua após a publicidade

Transcrevo abaixo o trecho de um texto publicado no site do Instituto Lula. Tomem antes um Engov:
O modelo brasileiro de combate à crise, focado em estímulos ao crescimento e na manutenção do emprego, foi constantemente citado como um exemplo que pode ser transferido à realidade da crise européia. “Se alguém pode ensinar alguma coisa aos europeus sobre como lidar com crises e superá-las, este é o homem”, destacou o jornal alemão Frankfurter Rundschau, no dia 7 de dezembro. O jornal francês Le Figaro, destacou em manchete “Paris estende tapete vermelho para o Brasil” no dia 10. O espanhol El Mundo deu destaque também para as críticas que Lula fez à estrutura anacrônica de órgãos da ONU, como o Conselho de Segurança, que mantém uma composição fechada desde o fim Segunda Guerra Mundial, ignorando as mudanças geopolíticas que aconteceram desde então. “Hoje a ONU não está à altura do que o mundo necessita”, repetiu o jornal. A agência internacional Inter Press Service (IPS), tradicionalmente engajada em causas sociais, resumiu em uma manchete sua avaliação do fórum: “Modelo econômico do Brasil oferece raio de esperança”.

Um mês depois, em janeiro de 2013, Dilma confirmou em rede nacional de rádio e televisão a redução da tarifa de energia elétrica — uma das medidas que ajudaram a quebrar o setor — e criticou os pessimistas.

A presidente respondeu assim a seus críticos:
“Aliás, neste novo Brasil, aqueles que são sempre do contra estão ficando para trás, pois nosso país avança sem retrocessos, em meio a um mundo cheio de dificuldades. Hoje, podemos ver como erraram feio, no passado, os que não acreditavam que era possível crescer e distribuir renda.

Os que pensavam ser impossível que dezenas de milhões de pessoas saíssem da miséria. Os que não acreditavam que o Brasil virasse um país de classe média. Estamos vendo como erraram os que diziam, meses atrás, que não iríamos conseguir baixar os juros nem o custo da energia, e que tentavam amedrontar nosso povo, entre outras coisas, com a queda do emprego e a perda do poder de compra do salário. Os juros caíram como nunca, o emprego aumentou, os brasileiros estão podendo e sabendo consumir e poupar. Não faltou comida na mesa, nem trabalho. E nos últimos dois anos, mais 19 milhões e 500 mil pessoas, brasileiros e brasileiras, saíram da extrema pobreza.

O Brasil está cada vez maior e imune a ser atingido por previsões alarmistas. Nos últimos anos, o time vencedor tem sido o dos que têm fé e apostam no Brasil. Por termos vencido o pessimismo e os pessimistas, estamos vivendo um dos melhores momentos da nossa história. E a maioria dos brasileiros sente e expressa esse sentimento. Vamos viver um tempo ainda melhor, quando todos os brasileiros, sem exceção, trabalharem para unir e construir. Jamais para desunir ou destruir. Porque somente construiremos um Brasil com a grandeza dos nossos sonhos quando colocarmos a nossa fé no Brasil acima dos nossos interesses políticos ou pessoais.”

O vídeo deste fantástico pronunciamento segue abaixo. Volto em seguida.

Continua após a publicidade

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=ByuywQTyEG4?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Visto à luz da história, esse discurso se torna moralmente doloso. Na eleição de outubro de 2014, ela repetiu parte dessas mentiras.

O seu modelo mágico premia o Brasil, contra todas as advertências, com uma das mais graves e duradouras recessões da história. E, como sempre, será pior para os mais pobres.

Não há saída fácil para o país. Não há saída possível com Dilma Rousseff. Ela é hoje a catalisadora da crise. E, por isso também (além de ter cometido crime de responsabilidade), tem de sair.

O país não pode continuar a pagar o preço de sua teimosia, de sua arrogância e de sua incompetência.

Texto publicado originalmente às 4h36
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.