Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Números desmoralizam versão oficial de que pedaladas foram só para programas sociais

Não tem jeito! Este governo parece ser viciado em mentira e desmoralização. Virou um método

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 26 out 2015, 05h39

Um dos problemas do governo Dilma, entre muitos, é que, quando a turma não tem o que dizer, diz qualquer coisa — inclusive mentiras em penca.

Mas aí ou os eventos anunciados se esquecem de acontecer. Ou nem podem mais se dar porque se trata de uma recriação do passado. Só mesmo chamando o Super-Homem para fazer a Terra girar ao contrário, né?, para reescrever a história. Mas isso é ainda mais difícil do que estocar vento. Então se vão estocando mentiras.

A presidente Dilma e seu antecessor, o Apedeuta da Silva, tentaram arrancar nossas lágrimas afirmando que as pedaladas foram dadas para arcar com os programas sociais. Assim, os que são críticos do procedimento seriam, na verdade, contra os pobres.

Reportagem de Dimmi Amora na Folha desta segunda, evidencia que “cerca de 35% dos valores envolvidos nas manobras (…) estão relacionados a financiamentos subsidiados para empresas e produtores rurais de médio e grande porte”. A reportagem chegou a essa conclusão com dados enviados ao jornal pelo BNDES e pelo Banco do Brasil.

Segundo o levantamento, dos R$ 40 bilhões, vamos dizer, pedalados, R$ 14 bilhões foram para esses dois setores.

Continua após a publicidade

Segundo o BNDES e o Banco do Brasil, informa o jornal, “os financiamentos a grandes empresas e ruralistas de médio e grande porte correspondem a 47% e 63%, respectivamente, dos valores financiados nessas linhas de crédito”.

Houve uma parte da pedalada destinada a programa sociais? Houve, sim. Segundo o TCU, “no caso da Caixa, o rombo para pagar o Bolsa Família, seguro-desemprego e abono salarial chegou a quase R$ 6 bilhões no meio do ano passado, mas foi praticamente todo quitado em 2014”. O governo também usou recursos do FGTS para o Minha Casa, Minha Vida. O tribunal diz que ainda falta quitar R$ 1,2 bilhão.

Então vamos lá. O governo poderia ter tentado argumentar que assim procedeu porque, se suspendesse operações de crédito em razão da falta de repasses, seria pior para o país já que dois setores importantes da economia poderiam ficar em apuros, o que seria ruim para a população.

Poderia vir a público para explicar que suas operações com grandes empresas e com produtores rurais são socialmente justas porque evitaram, sei lá, desemprego, quebra da safra etc. Notem: não estou encontrando justificativas. Estou é dizendo que, flagradas as contas mentirosas, Dilma poderia ter, ao menos, buscado o lado virtuoso da verdade, havendo algum.

O que estou dizendo? Flagrado, o governo poderia ao menos ter dito a verdade, esforçando-se para encontrar a relevância social da pedalada. Preferiu, e parece viciado nisto, o caminho da mentira e desmoralização.

Texto publicado originalmente às 4h
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)