Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Na iminência da prisão nos EUA, parece que ex-advogado de Cerveró queria brincar de Saul Goodman

Vai ver Edson Ribeiro se apaixonou pela personagem picareta, que serve a criminosos, em vez de defendê-los

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 00h01 - Publicado em 26 nov 2015, 04h34

Edson Ribeiro, ex-advogado de Nestor Cerveró, foi localizado e está para ser preso nos EUA, segundo a Polícia Federal. Algum abuso nisso? Alguma forma, ligeira que seja, de constranger o exercício da profissão?

A resposta, definitivamente, é “não”. Advogados não têm licença para cometer crimes, ainda que possam ser defensores de criminosos, já que todo mundo tem, e deve ter, direito a um advogado.

O que a gravação que veio a público evidencia é que o sr. Edson Ribeiro arquitetava, em companhia de Delcídio Amaral, a fuga de Cerveró. E se pode dizer, vejam que estupefaciente!, que, a partir de determinado momento, já nem se tratava de tentar atender a um desejo do seu cliente. Tudo indica que o próprio Ribeiro é que estava tentando articular a alternativa, em companhia do senador, para oferecer ao ex-diretor da Petrobras.

No despacho em que determinou as prisões, o próprio ministro Teori Zavascki deixa claro que o tal Ribeiro mandou às favas seu cliente e passou a trabalhar para o senador. Escreve o ministro: “O advogado Edson Ribeiro passou efetivamente a proteger os interesses do senador Delcídio Amaral”.

E foi o que percebeu Bernardo Cerveró, o filho de Nestor, razão por que decidiu fazer um acordo com o Ministério Público e gravar as conversas.

Continua após a publicidade

O papo se desenvolve com incrível desassombro. Ao tratar da fuga de Cerveró, Ribeiro afirma que já retirou investigados do país. Pelo tom, nota-se que fala como uma ponta de orgulho, como a exibir suas especiais habilidades.

O homem diz ainda que pretende anular várias delações da Lava Jato, embora não fique claro de quais instrumentos disporia para tanto.

Ora, meus caros, é óbvio que um advogado não tem licença para se comportar dessa maneira. Ele não estava dizendo que seu cliente é inocente ou, sei lá, que as coisas não são como dizem os acusadores etc. e tal. Isso é papel de um advogado.

Nada disso! A operação da qual ele participou buscava impedir que alguns crimes da Lava Jato viessem à luz. Mais: ele se ofereceu para receber o dinheiro que o banqueiro André Esteves daria para financiar a fuga de Cerveró primeiro para o Paraguai e, depois, para a Espanha. No total, seriam R$ 4 milhões.

Vai ver Ribeiro andou assistindo muito ao seriado “Breaking Bad” e se deixou seduzir pelas larguezas éticas do advogado picareta Saul Goodman…

Texto atualizado às 13h08

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês