Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Muito barulho por nada

O dia ontem teve alguns lances um tanto patéticos. Com seu infalível coletinho, desta vez de seda cor de telha, o ministro Carlos Minc entrou para a reunião com Lula com uma arrogância verdadeiramente amazônica. Saiu do tamanhinho da mata ciliar do São Francisco. Pediu RS$ 1 bilhão. O presidente não deu. Pediu para afastar […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h29 - Publicado em 20 Maio 2008, 06h59
O dia ontem teve alguns lances um tanto patéticos. Com seu infalível coletinho, desta vez de seda cor de telha, o ministro Carlos Minc entrou para a reunião com Lula com uma arrogância verdadeiramente amazônica. Saiu do tamanhinho da mata ciliar do São Francisco. Pediu RS$ 1 bilhão. O presidente não deu. Pediu para afastar Mangabeira Unger do PAS (o PAC da Amazônia). O presidente não afastou. Pediu a ajuda das Forças Armadas no combate aos crimes ambientais. O presidente não topou. O novo ministro fez lá algumas performances e deu no pé, não sem dizer uma frase avassaladora: na sua gestão, “sim é sim” e “não é não”. Huuummm… No governo Lula, o triunfo da tautologia não deixa de ser um avanço.

Minc não pagou mico (ops!) sozinho, não é? Lula aproveitou o dia para atacar as oposições novamente, afirmando que o dinheiro da CPMF faz uma falta danada à Saúde. Esperto, jogou a batata quente da Emenda 29 para o Congresso: que ele arrume dinheiro. A ameaça subjacente é o veto ao texto. Não quis saber de rediscutir a recriação da CPMF — que a base aliada cuide do assunto, mas não em nome do Planalto. O ministro José Gomes Temporão, por sua vez, voltava a pedir verbas e dizia que só a elevação de imposto de cigarro e bebidas não vai dar conta do recado.

Deixe-me ver se entendi direito: falta dinheiro para a tal Emenda 29, mas o ministro Guido Mantega, da Fazenda, vai torrar R$ 20 bilhões no tal Fundo Soberano, é isso? Que se saiba, a estrovenga — até agora, não vi ninguém que a defendesse — vai ser composta com sobras do superávit primário — que sobra não é, certo? A genial matemática financeira de Mantega pretende tomar dinheiro do mercado a juros que podem chegar a 14% no fim do ano para emprestá-lo a 3%? Quer dizer que existe a grana para um Fundo Soberano que ninguém quer, mas falta para a Saúde? E a culpa é da oposição?

Mais: o governo arrecada bem mais do que o previsto. Mesmo com o fim da CPMF, a arrecadação só cresceu. A idéia de que só um imposto especial pode financiar o setor transformou-se num fetiche. O governo que quer criar o tal Fundo é também aquele incapaz de cortar seus gastos de custeio — ao contrário: eles só fazem aumentar. Não! A batata quente da Emenda 29 tem de ser devolvida ao governo e aos governistas. E as oposições não podem — como não estão fazendo, justiça se lhes faça — nem flertar com aumento de impostos. O governo Lula precisa aprender a gastar. Ou que venha a público defender a volta da CPMF.

Ah, sim, não poderia encerrar este texto sem lembrar que Lula começou o dia, no programa de rádio, convocando a população a se esforçar para combater a inflação. Como, ele não disse. Só se for com orações. Minc, Mantega, Temporão, Lulão… Uma verdadeira crônica de irrelevâncias e desatinos. Quando não se sabe aonde ir, qualquer lugar serve. O importante é que seja sempre com muito barulho.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.