Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Ministério da Cultura vai dar certo? Só se ministro se libertar dos bacanas e das milícias

Marcelo Calero, ex-secretário do Rio, assume o cargo. A questão agora é saber se ele terá mesmo disposição, ainda que queira pacificar a área, de vencer os esquemas encarquilhados de poder que foram tomando conta do Ministério

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h39 - Publicado em 24 Maio 2016, 22h06

O presidente Michel Temer deu posse nesta terça a Marcelo Calero, novo ministro da Cultura. A pasta esteve envolvida no ruidoso episódio da fusão da fusão com a Educação, o que gerou um levante oportunista de alguns artistas e sedizentes artistas, boa parte ligada ao PT e com vontade de fazer oposição a Michel Temer. Os bacanas não estavam nem aí para a área em si.

Como lembra Sérgio Sá Leitão, em excelente artigo publicado nesta terça na Folha — veja post seguinte —, essa história de haver ou não uma pasta específica para a área é irrelevante, desde que o poder público tenha uma política cultural e saiba trabalhar. Os países que contam com uma pasta são a exceção, não a regra.

Como sabem os leitores, eu me opus desde o começo à fusão por razões muito pragmáticas: economia pequena para o tamanho da dor de cabeça. Não deu outra.

A esquerda chique do mundo artístico saiu na vanguarda do ataque, como se Temer estivesse desprezando a área. Bem, então também a desprezam os EUA, a França, a Espanha… Isso é uma bobagem em si. Eu só não achava que a reação custo-benefício seria benéfica. Como não foi. Temer recuou, deu à área o status de ministério, e eu aplaudi.

Continua após a publicidade

Gostei do discurso de posse de Calero ao afirmar que “O partido da cultura é a cultura”. Para ser mais preciso: “A cultura não é de ninguém, a cultura não é de partido político, a cultura é nacional”. É isso mesmo.

A questão agora é saber se ele terá mesmo disposição, ainda que queira pacificar a área, de vencer os esquemas encarquilhados de poder que foram tomando conta do ministério. Querem um exemplo? Quem promove a invasão de prédios públicos ligados à Cultura é o Movimento Fora do Eixo, aquele liderado por Capilé, que já foi acusado até de explorar mão de obra análoga à escravidão.

O Fora do Eixo é uma espécie de braço operante de Juca Ferreira, o ex-ministro. Na prática, a pasta foi terceirizada. Vamos ver como Calero vai agir. Levar a sério que a “cultura não tem partido” implica bem mais do que tolerância: significa também impedir que um grupo hegemonize as ações culturais, esgrimindo a retórica da diversidade, mas, na prática, impondo a sua vontade e calando a divergência.

Continua após a publicidade

Mais: o Ministério da Cultura, a exemplo de todos os outros, tem de demonstrar eficiência. Não pode ser mera agência de financiamento de projetos de amigos e de concessão de autorizações de captação de recursos, via leis de inventivo, para aliados ideológicos. A cultura tem de dar retorno também, para que mais gente seja beneficiada.

Atenção! O Ministério da Cultura, a exemplo de outro qualquer, tem de estar submetido aos critérios de eficiência e transparência no gasto dos recursos públicos. A pasta não é propriedade privada dos artistas e esquerdistas. Existe para promover o bem-estar do povo brasileiro.

Calero é jovem — apenas 33 anos —, mas tem uma boa experiência à frente da Secretaria de Cultura do Rio e, antes, na presidência do projeto “Rio 450”, em homenagem aos 450 anos da cidade.

Continua após a publicidade

Vai dar certo? Tomara que sim. Especialmente se o ministro se cercar de gente competente e se não se quedar refém de máfias de descolados e de milícias militantes.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.