Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Minha coluna na Folha: “Vício como estrume da virtude”. E a greve

Rodrigo Janot quer disputar um terceiro mandato. E aí resolveu passar mel de baixa qualidade nos beiços do Congresso. Espero que não dê certo!

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 28 abr 2017, 08h40 - Publicado em 28 abr 2017, 08h07

Rodrigo Janot, procurador-geral da República, quer um terceiro mandato e discute com seus auxiliares oferecer a suspensão condicional do processo a políticos suspeitos apenas de caixa dois –vale dizer: contra os quais não exista acusação de contrapartida. Afinal, ele precisa ser aprovado pelo Senado.

Lá vou eu com La Rochefoucauld: “A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude”. Machado de Assis foi mais chão: “O vício é muitas vezes o estrume da virtude”. Sei bem o que me tem custado a distinção entre caixa dois com e sem contrapartida.

Ainda no dia 18 deste mês, escrevi em meu blog: “A verdade é que a PGR […] não deveria ter apresentado ao STF aquele calhamaço de pedidos de abertura de inquérito. Nem Edson Fachin deveria tê-lo aceitado. […] Janot sabia muito bem –e Fachin tinha como sabê-lo– os casos em que há e em que não há evidência de contrapartida dos políticos. Ora, sem a contrapartida, tem-se, no máximo, caixa dois.”

O procurador-geral e seus bravos têm ciência de que não conseguirão condenações por corrupção passiva e lavagem de dinheiro se não houver a prova de que o caixa dois era um pagamento feito pelo corruptor em razão de favor prestado ou prometido pelo político. Na vara onde reinam Sergio Moro e seus solipsismos, pode ser. Em tribunais superiores, não há chance.

(…)

PS: Eu deveria, direitista que sou, usar este espaço para dar um pau na “greve geral”? Janio de Freitas escreveu aqui que “protestos valem pelo seu valor simbólico”. Fato! Simbolicamente, estão nas ruas aqueles de que trata Sérgio Buarque de Holanda em “Raízes do Brasil”. Ou Raymundo Faoro em “Os Donos do Poder. Os nababos da Previdência e do sindicalismo foram à luta pelo direito de continuar a esmagar, com seus privilégios indecorosos, “milhões de famílias, crianças, mulheres, velhos, trabalhadores da pedra, da graxa, da carga, do lixo, do ferro –os que mantêm o Brasil de pé.”

Continua após a publicidade

Publicidade