Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Mais uma vez, o responsável era o morto

Ontem, ficamos sabendo, com José Carlos Dias, que Kátia Rabello, dona do banco, não mandava na instituição. Era apenas uma alma de bailarina num corpo de banqueira. Hoje, com Márcio Thomaz Bastos, somos informados que José Roberto Salgado, o responsável legal pelo Rural, também não decidia.  A defesa faz alumas peripécias no ar, mas com […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 08h11 - Publicado em 8 ago 2012, 15h57

Ontem, ficamos sabendo, com José Carlos Dias, que Kátia Rabello, dona do banco, não mandava na instituição. Era apenas uma alma de bailarina num corpo de banqueira. Hoje, com Márcio Thomaz Bastos, somos informados que José Roberto Salgado, o responsável legal pelo Rural, também não decidia. 

A defesa faz alumas peripécias no ar, mas com rede, a saber: nega a existência dos crimes e, como garantia, sustenta que o cliente não tinha a nada ver as operações da instituição. A exemplo de José Carlos Dias, Bastos afirma que quem mandava efetivamente no banco era José Augusto Dumont.
 
Dumont? Sim, o diretor do banco que morreu num acidente de carro em 2004. Também nesse caso, jogue-se a responsabilidade no colo do morto.
Publicidade