Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

LULA NEWS – ”Jornalismo ficou refém da área administrativa”

Por Roberta Pennafort, no Estadão: Nove dias depois de pedir demissão do cargo de diretor-geral da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Orlando Senna diz acreditar que sua saída já esteja gerando resultados positivos. Um de seus idealizadores da EBC, Senna saiu queixando-se do engessamento de sua estrutura.”Minha intenção não era prejudicar. Imagina, estou nisso há […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 19h18 - Publicado em 28 jun 2008, 06h51

Por Roberta Pennafort, no Estadão:

Nove dias depois de pedir demissão do cargo de diretor-geral da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Orlando Senna diz acreditar que sua saída já esteja gerando resultados positivos. Um de seus idealizadores da EBC, Senna saiu queixando-se do engessamento de sua estrutura.”Minha intenção não era prejudicar. Imagina, estou nisso há seis anos. Seria um contra-senso absoluto”, afirma o cineasta, nesta entrevista ao Estado.
O que o sr. quer dizer quando fala do engessamento da EBC?
Estou falando de dificuldades de operação, de problemas inerentes à natureza da EBC, que é uma empresa pública dependente. A EBC começou como não-dependente, mas logo foi mudada a figura jurídica. No dia-a-dia, nos demos conta de que o formato não é adequado a essa atividade, que é dinâmica. Essa inadequação empresarial gera problemas na forma de gestão.
Qual foi a gota d?água?
Os motivos que me impeliram a tomar essa atitude foram dois: um é que a direção-geral tem muito pouco poder de decisão. Uma função que deve cuidar da prática, do chão de fábrica da EBC, não tinha mobilidade para isso. Não estou culpando ninguém. Não é a Tereza (Cruvinel, diretora-presidente). Se não fosse ela, seria outra pessoa. A outra razão foi também chamar a atenção, tentar causar um pequeno choque elétrico, não só na empresa, mas no setor.
Como foram os primeiros meses da TV pública?
O que aconteceu é algo que não pode acontecer numa empresa de televisão: as áreas de programação, conteúdo e jornalismo ficaram reféns da área administrativa e financeira. Os diretores setoriais e gerentes não têm autonomia para cumprir suas missões. Os estatutos têm de ser mudados, porque concentram um porcentual inimaginável de poder decisório apenas na presidência.

Assinante lê mais aqui


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês