Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Luiz Dulci na Folha: respostas erradas para perguntas não menos erradas

Luiz Dulci sempre foi uma espécie de “intelectual” do regime. É aquele que consegue pensar com alguma sutileza e um dos poucos da cúpula que não seriam fulminados por um livro, assim como a kryptonita acaba com o Super-Homem. Numa entrevista em que pode deitar e rolar, tudo fica bom. Ele está na Folha desta […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 6 jun 2024, 09h32 - Publicado em 7 ago 2006, 05h00
Luiz Dulci sempre foi uma espécie de “intelectual” do regime. É aquele que consegue pensar com alguma sutileza e um dos poucos da cúpula que não seriam fulminados por um livro, assim como a kryptonita acaba com o Super-Homem. Numa entrevista em que pode deitar e rolar, tudo fica bom. Ele está na Folha desta segunda. O título da entrevista parece apelar a um tom crítico: “Governo trocou emenda e cargo por apoio, diz Dulci”. É mesmo? Bem, assim é nas democracias do mundo inteiro. O pecado do PT não está aí. A propósito, quem levanta a bola para ser cortada é a própria Folha quando pergunta: “O governo Lula, tal como o governo FHC, defendeu a reforma política, mas acabou adotando a negociação no Congresso com base na distribuição de cargos e liberação de emendas do Orçamento?” Pronto. Neste exato ponto, aquilo que, no título, parecia assumir um viés crítico vira a água benta da absolviçãoo. O jornal também acha, a exemplo de Dulci, que é tudo culpa de FHC. Está decretado o empate. Mas o pior está por vir: se o PT, coitadinho, foi obrigado a fazer aquelas coisas horríveis por causa “do sistema”, então, o que fazer? Ora, uma mudança geral. Dulci, do núcleo do governo mais corrupto da história do Brasil, ensina: “Eu pessoalmente não acredito que haja solução paliativa, tópica, precisa ser de uma reforma política global, que instaure no Brasil um novo modelo político. Todos os governos da redemocratização tiveram muitas dificuldades de assegurar a necessária governabilidade política.” Ao longo da entrevista, disse que Lula adotou uma política monetária realmente parecida com a de FHC, mas não a fiscal, diz ele. A de FHC teria sido “neoliberal”, a de Lula, não. Lula foi fiscalmente mais duro do que o antecessor. Dulci não explica, e não lhe foi perguntado, como é que o outro podia, então, ser um neoliberal se era mais frouxo em questão fiscal do que o petista. Aí Dulci fala da expansão do crédito como exemplo de “política desenvolvimentista”, mas também não se quis saber quanto do irregular crescimento brasileiro se deve ao mercado interno. Eles estão de volta. Mais um pouco, ainda darão lição de Educação Moral e Cívica. E os alunos estão longe de inquirir os mestres com a dureza de uma classe intelectualmente aplicada. A entrevista está aqui. Leia se quiser

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.