Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Kassab procura Haddad e aumenta assédio a petistas

Por Bernardo Mello Franco, na Folha: Depois de propor uma aliança ao ex-presidente Lula na eleição municipal de São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) lançou uma ofensiva para tentar dobrar as resistências do PT ao acordo e atrair o pré-candidato do partido, Fernando Haddad. Nos últimos dias, ele ligou para o ministro e para […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 09h44 - Publicado em 18 jan 2012, 06h33

Por Bernardo Mello Franco, na Folha:
Depois de propor uma aliança ao ex-presidente Lula na eleição municipal de São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) lançou uma ofensiva para tentar dobrar as resistências do PT ao acordo e atrair o pré-candidato do partido, Fernando Haddad. Nos últimos dias, ele ligou para o ministro e para vereadores e deputados petistas em busca de apoio à ideia. Prometeu negociar a adesão de outras siglas e de igrejas evangélicas e sugeriu seu secretário de Educação, Alexandre Schneider (PSD), como candidato a vice-prefeito.

A tese da aliança divide o PT, mas ganhou o apoio do Diretório Estadual e de parte das bancadas na Câmara Municipal e na Assembleia Legislativa. Petistas procurados por Kassab passaram a defender abertamente o acordo. “Nosso diálogo com Kassab não é artificial, irreal ou fora de contexto. O PT não pode mais ser um partido sectário”, afirma o vereador Francisco Chagas, que conversou anteontem com o prefeito.

“O PSD integra a base do governo Dilma e já apoia o PT em outros Estados e municípios paulistas”, argumenta. O deputado estadual João Antonio, ex-aliado da senadora Marta Suplicy que também foi procurado por Kassab, diz que a proposta de aliança deve ser discutida “sem preconceitos” no PT.

“O importante para nós é eleger o Haddad. As alianças têm que ser negociadas com este objetivo”, afirma. O presidente estadual do PT, Edinho Silva, é visto como um dos principais defensores da aliança com o PSD. A resistência à negociação é maior no Diretório Municipal e na Câmara, onde os petistas fazem oposição ao prefeito desde que ele sucedeu José Serra (PSDB), em 2006.

Haddad conversou com Kassab na quinta-feira. Nos relatos que fez a aliados, o ministro evitou expressar opinião sobre a proposta. Até o carnaval, o PT deve promover uma série de consultas a dirigentes locais para medir a aceitação da aliança com o PSD. O líder do partido na Câmara, Italo Cardoso, quer reunir os vereadores no dia 1º para discutir o tema. “Mas a decisão será tomada em Brasília ou em São Bernardo”, disse, numa referência ao Palácio do Planalto e à cidade onde mora Lula.
(…)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)