Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Reinaldo Azevedo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura
Continua após publicidade

Jungmann: ”Não pode pôr nada debaixo do tapete”

Por Ana Paula Scinocca, no Estadão:O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é o autor do projeto de resolução que será votado amanhã e pretende mudar o regimento interno da Casa, criando uma corregedoria autônoma e independente da Mesa Diretora. Com a aprovação do projeto de resolução de Jungmann, que será apreciado pelo plenário depois da votação […]

Por Reinaldo Azevedo
Atualizado em 31 jul 2020, 18h11 - Publicado em 9 fev 2009, 04h57
Por Ana Paula Scinocca, no Estadão:
O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) é o autor do projeto de resolução que será votado amanhã e pretende mudar o regimento interno da Casa, criando uma corregedoria autônoma e independente da Mesa Diretora. Com a aprovação do projeto de resolução de Jungmann, que será apreciado pelo plenário depois da votação da MP das Filantrópicas, o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), vai nomear o novo corregedor da Casa. Em entrevista ao Estado, Jungmann afirmou que as denúncias contra Moreira trouxeram prejuízo para a imagem da Câmara. Para ele, nada pode ser colocado “embaixo do tapete”. O deputado disse ser contra proposta de transferir para o Judiciário a análise dos casos de perda de mandato. A seguir, os principais trechos da entrevista.

O senhor tem defendido a tese de que a Corregedoria da Câmara deixe de ser vinculada à segunda vice-presidência da Câmara e já trabalha em projeto de resolução para isso. O que o motivou?
Em primeiro lugar, a Câmara, ao contrário do Senado, não tem corregedoria com estrutura, autonomia e independência que zele pelo regime disciplinar dos deputados. Em segundo lugar, eu defendo a tese de que o corregedor seja indicado pelo presidente da Casa, que o fará aos olhos da opinião pública e comprometido com a ética. E é assim que eu acredito que o presidente Michel Temer vai fazer. A ideia é que o corregedor tenha um mandato, de dois anos, e fora da Mesa Diretora. Ele poderia ser retirado apenas pelo plenário e seria uma maneira de evitar que eventuais maiorias corporativas bloqueiem as ações disciplinares e punitivas quando elas forem necessárias. O cargo do corregedor deve ser inegociável e uma prerrogativa do presidente. Como se trata de um projeto de resolução, precisa passar pelo plenário. Eu já conversei com o presidente Temer e ele disse que concorda.

Logo que tomou posse no cargo, vieram à tona irregularidades envolvendo o deputado Edmar Moreira. Como o senhor viu esse problema?
Vi como prejuízo duplo para a imagem da Casa e da Mesa. Eu fiquei preocupado. A Mesa Diretora é a face da Câmara e a atual será em um momento de sucessão presidencial. Assim que fui informado dos acontecimentos envolvendo o novo corregedor eu procurei os líderes e falei com os deputados. A deterioração, a meu ver, tem de ser estancada agora ou se torna irreversível. Além da criação de uma corregedoria independente da Mesa eu defendo a reforma do Conselho de Ética, o voto aberto em plenário e a transparência na prestação de contas dos deputados e senadores.

Assinante lê mais aqui

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.