Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Irmandade Muçulmana ameaça deixar diálogo com governo do Egito

Da Reuters: A Irmandade Muçulmana, o maior bloco de oposição do Egito, ameaçou deixar o diálogo com o governo do país, que sofre pressões desde o dia 25 de janeiro, quando a população tomou as ruas do Cairo e de outras cidades exigindo a renúncia do presidente Hosni Mubarak. Os opositores disseram que podem sair […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 12h54 - Publicado em 7 fev 2011, 22h32

Da Reuters:
A Irmandade Muçulmana, o maior bloco de oposição do Egito, ameaçou deixar o diálogo com o governo do país, que sofre pressões desde o dia 25 de janeiro, quando a população tomou as ruas do Cairo e de outras cidades exigindo a renúncia do presidente Hosni Mubarak. Os opositores disseram que podem sair das negociações caso suas exigências não sejam atendidas.

“Estamos avaliando a situação. Vamos reconsiderar toda a questão do diálogo”, disse Essam el Erian, dirigente da Irmandade Muçulmana, na segunda-feira. “Vamos reconsiderar segundo os resultados. Algumas das nossas exigências já foram atendidas, mas não houve resposta à nossa principal exigência, de que Mubarak saia.”

A oposição pleiteia uma reforma constitucional que leve a eleições livres e limpas, limite a quantidade de mandatos presidenciais, dissolva o Parlamento, permita a libertação de presos políticos e suspenda a lei de emergência.

O governo divulgou uma nota após a primeira rodada de reuniões, no domingo, dizendo que havia acordo sobre os rumos do processo, mas com poucas concessões à oposição. A nota sugere que as reformas serão implementadas com Mubarak ainda no poder até setembro. Também impõe condições para a revogação da lei de emergência, que segundo a oposição é usada para reprimir dissidentes.

Depois do início da crise, Mubarak nomeou um novo gabinete, que na segunda-feira prometeu, na sua primeira reunião, manter subsídios e atrair investimentos estrangeiros. O gabinete ainda decidiu aumentar o salário de funcionários públicos, uma medida que parece ser uma tentativa do governo de apaziguar as manifestações.

A Irmandade Muçulmana é o mais bem organizado grupo oposicionista do Egito, apesar de estar na ilegalidade há décadas. Seus membros participam das eleições como candidatos independentes, mas a lei impede que postulantes com esse status sejam eleitos para a presidência.

O grupo é sunita e fundamentalista, embora tenha abandonado as armas. Ainda assim, aliados do Egito como os EUA e Israel preferem manter o poder longe das mãos do bloco, embora Washington tenha dito várias vezes que as negociações devem incluir todos os setores da oposição egípcia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês